Anjo de Luz

Informação é Luz , ajude a propagar

Lúcia Abduche
  • Feminino
  • Rio de Janeiro
  • Brasil
Compartilhar
  • Mensagens de blog
  • Tópicos
  • Eventos
  • Grupos
  • Fotos
  • Álbuns de Fotos
  • Vídeos

Amigos de Lúcia Abduche

  • Luhana Bumussi
  • IMAMAIAH
  • João Luciano
  • Sandra Meirelles
  • DULCINEA
  • Edgar S R M de Souza
  • Hannyari de Micael
  • Silvia Leticia
  • Claudenir R. F. dos Anjos
  • Lidia Julyanne de Quadros Grund
  • maria adelaide ferreira martins
  • Ana Stella  R Ferreira
  • Claudia Motta
  • Guerreira do Águia
  • Elizabeth Carris Tristão

Presentes recebidos

Presente

Lúcia Abduche ainda não recebeu nenhum presente

Dar um presente

 

Página de Lúcia Abduche

Informações do Perfil

Tem alguma informação de luz para compartilhar ?
Eu Sou Luz!
Quem é você ?
Eu sou Luz!

Caixa de Recados (7 comentários)

Você precisa ser um membro de Anjo de Luz para adicionar comentários!

Entrar em Anjo de Luz

Às 12:57 em 19 setembro 2014, Amelia Fernandes disse...

Saudades amiga!

Às 16:40 em 19 março 2011, Verdade disse...


Parabéns hoje, felicidades sempre!!!

Namasté.

Às 15:49 em 24 janeiro 2010, Sandra Meirelles disse...

Às 12:05 em 18 novembro 2009, Cristina Guedes - Taróloga disse...
coluna AFRODITEQUEMQUISER

O ANO NOVO DE VER ...


Por Cristina Guedes


Tudo mostra uma causa inteligente, ativa, experiente, diferente, o esplendor de renascer todas as coisas antes de começar a sentir sempre.

Por isso aguardo o ano novo de ver o Aleph agigantar-se ao primeiro inventário do Ser. E por que contar fatos ou alardes se as coisas do ano novo mudaram suas bases. Então, uma vez dividi-me, dissolvi-me, passei a sair e a procurar-me no novo Ser. E vi...

Vi o ano de ver a menina brincar, inventar, seguir a formiga até seu formigueiro, misturar água com tinta para ver o resultado da inspiração, eis o que se faz quando se é pequeno ou quando se é capaz de soltar o coração.
Vi o ano de ver a classe, o ano de ver o professor, o ano de ver as aulas, o ano de ver qualquer tremor de terra ou de amor.

Vi o ano de ver a criança engraçada que eu era e a mulher que eu seria inesperadamente depois do humor e da intuição.

Vi o ano de ver na adolescência que eu crescia sem saber para onde, talvez fosse uma estranha gigante embaixo da mochila pesada, uma ET cheia de cálculos ou pensamentos e que eu não compreendia se não fosse eu.

Vi o ano de ver a mim, o ano de ver os outros. O ano de ver o corpo, o ano de ver a alma, o ano de ver o sangue se despojando em face do conhecido.

Agora lembro-me:

O ano de ver minhas amigas melindradas porque estavam prestes a se apaixonar.

O ano de ver as freiras sufocadas por motivos do desejo atentar. O ano de ver as missas sonâmbulas do meu colégio.

O ano de ver que exigiam que eu me ajoelhasse na madeira dura e pedisse perdão só porque minhas pestanas não estavam de corpo presente.

O ano de ver no sermão do padre como Jesus dizia coisas parecidas com a gente que eles chamavam de crianças.

O ano de ver o meu ídolo pendurado numa cruz, querendo me dizer que a vida nascendo era tão sangrenta quanto morrer.

O ano de ver que aquele amor não me desfitava. O ano de ver e dizer para ele que eu via o abismo do mundo e que aquilo que eu via me valeria o dia de nascer.

O ano de ver que eu era docemente purificada pela essência do crescimento.

O ano de ver minha ostensiva falta de jeito pela primeira noção de paixão; e a tudo que ele nem dizia eu respondia com um simples não, mas ninguém em sã consciência poderia nos acusar de contravenção.

O ano de ver a gota do meu suor descendo pelo nariz e pela boca, dividindo no meio o meu sorriso.

O ano de ver a intrusa, o ano de ver o cristão, o ano de ver a zoada do meu coração. O ano de ver a minha iniciação.

O ano de ver que eu descobria de que modo as pessoas se curavam quando amavam e que eu saberia curar pequenas mortes para quem um dia morresse de mim.

O ano de ver que amar o limpo era coisa de nostalgia, amar o puro era coisa de sabedoria.

O ano de ver tudo como era e não como eu queria. O ano de ver que em nome de ninguém tudo era bom e sorria. O ano de ver meus longuíssimos anos de boa educação.

O ano de ver o instante e depois o ano de nunca estancar a ação. O ano de ver a minha coragem só porque pediam a minha força.

O ano de ver a minha esperança de redenção dos adultos. O ano de ver minha avó confiante quando me fazia acreditar em mim.

O ano de ver a mística, o ano de ver a palavra, o ano de ver a parada, o ano de ver a praia, o ano de ver a poesia. O ano da primeira arrancada, o ano da exclamação, o ano da recomendação cheia de folhas novas.

O ano de aparecer em plena história de primeira comunhão.

O ano da Rebeca, o ano da festa, o ano da minha contemplação como mãe.

O ano da água, o ano da pedra, o ano do pão, o ano da adoração.

O ano dando assim uma nova adivinhação.

O ano da política, o ano da confusão, o ano da instabilidade, o ano da compaixão.

O ano da farsa, o ano da massa, o ano da faca, o ano da raça, o ano da sala, o ano da cabala, o ano do tarô, o ano da dor em transformação.


O ano de salvar o outro, o ano da salvação, o ano da aflição.

O ano que só muito depois eu ia aprofundar a matéria da minha mão. O ano da composição.

O ano da compreensão, o ano da felicidade, o ano da questão, o ano da gravidade, o ano da repercussão.


O ano de sorrir, o ano depois que rimos, o ano da dança, o ano da celebração.

O ano dando uma extrema unção.

O ano do amor, o ano do vôo, o ano da pássara, o ano da sinalização.


O ano de entender as experiências sábias das mães excluídas e pacientemente cuidando das horas de ameaça de morte dos seus filhos.

O ano invisível para se ver.

O ano visível para não ver.

O ano de ver a renúncia do início bem como do fim.

O ano de ver o bolo e seus ingredientes.

O ano de ver o tolo e seus incompetentes.

O ano de ver o alimento na região ardente do coração.

O ano de morder o lábio para a resignação.

O ano de ver os dias que eu temia, um atrás do outro, porque não sabia das surpresas do puro devotamento que sentimos em amar o próximo para nos respeitar.

O ano de ver e de dizer a um homem que disporia de pulsos e de todas as forças que uma mulher tem quando encontra sua própria fogueira, numa relação serena e verdadeira de todo amor que fosse a mais plena libertação.

O ano de ver que ele nem entendeu o regresso. O ano de ver minha extinção.

O ano de ver a minha continuação...

O ano de ver o broto que tem que existir na terra e nutrir seu desejo fantástico de um dia ser raiz.

O ano de ver os monges arrependidos porque ficaram sobrecarregados pelas tantas tentações da solidão.

O ano de ver uma cadeira bem velha, sem comodidade, sem envernização, apenas distraindo os meus olhos do álbum antigo lançado em minhas mãos.

O ano de ver o apascentador de ovelhas automaticamente saindo de mim para me captar tonta de meu enigma.

O ano de ver os segredos da escrita e saber dos vórtices que é se por em estado puro de criação.

O ano de ver a ligeireza corrente de um rio delirante por verter nossa orientação.

O ano de ver bom dia e boa tarde e dizer cuidado com o sol alto, ele pode baixar em você.

O ano de ver a veraz semente da igualdade mostrando sua capacidade de vencer.

O ano de ver a inocência aprendendo cada vez mais a não saber. O ano de ver a minha alegria mantendo-me discreta em minha estranha poética de viver.

O ano de ver que o nada é o começo de uma disponibilidade da alma.

O ano de ver e saber que aos poucos é dado o profundo mergulho na própria e misteriosa aura.

O ano de ver que a clareza visionária parte da linguagem que tem o dom de parecer miragem.

O ano de ver as coisas quando eu as via antes e não sabia que tinha de ver tanta vastidão.

O ano de ver a televisão e dizer que tudo que sei da televisão é apenas o seu botão.

O ano de ver que o abajur jorrar um grande triângulo de luz sobre o papel e a minha mão.

O ano de ver que o meu terremoto abre fendas poderosas nessa língua livre que é a emoção.

O ano de ver que o mundo me exige decisão para as coisas rápidas e pelas quais nem tive tesão.

O ano de ver que me movi quando vi uma velocidade de arco e flecha e não me assustei com a tensão.

O ano de ver que a esfinge me devorou porque respondi certo à sua pergunta e ela ficou muda de tanta indignação.

O ano de ver que todas as estátuas têm um toque de santidade enigmática e um jeito de matéria-prima em exaltação.

O ano de ver que se as deusas fossem vistas, elas teriam fatos e acontecimentos que encurtariam nossa visão.

O ano de ver que a poltrona muda e gorda pertence a um idêntico fabricante e recebe igual qualquer traseiro aconchegante.

O ano de ver que o artista é poeticamente inspirado enquanto o burocrata é tristemente estável.

O ano de ver a semente da lembrança, o ano de ver a árvore da criança, o ano de ver o véu e dá um ano de céu.

O ano de ver o quinto elemento, o ano de ver o sétimo raio, o ano de ver as trombetas em cima de suas cabeças.

O ano de ver os anjos, o ano de ver os cânticos, o ano de ver os sinos, o ano de ver os arcanos, o ano de ver tantos meninos erguendo a lata e brindar a vós.

O ano de ver o pão salvar a missão.

O ano de ver soprando e alcançando a liberdade de um eterno presente que se sente em dizer:


FELIZ 2010 pra você.

visite: http://revistafroditequemquiser.ning.com/profiles/blogs/extra-cronica-e-poesia-e-a



@Cristina Guedes, colunista, começou cedo escrevendo em jornais e revistas. De carreira versátil, ainda jovem tornou-se modelo e apresentadora de tv. Depois, foi redatora publicitária, autora de peças teatrais e entrevistadora em Belo Horizonte, onde viveu a maior parte de sua carreira. Como escritora está em diversas Antologias pelo país, dona de um texto gratificante e cheio de cumplicidade com o leitor. Cristina é jornalista, ensaísta e poeta. Autora do Livro, QUANDO RIEM AS MAÇÃS - que reúne deliciosas crônicas e tiradas com humor sobre homens, mulheres, negócios, políticas tropicais e ainda traz a divertida e envolvente história da mineira Ritinha. Atualmente escreve para diversas revistas e finaliza o livro intitulado A Casa do Mundo no Reino dos Arcanos.
Às 22:46 em 4 outubro 2009, Amigo dos Anjos(Fernando) disse...


O Educador Celeste, Jesus, o Cristo Ecumênico, nos ensina o conceito divino do Amor incondicional, do respeito às diversas crenças religiosas, do altruísmo, da fraternidade sem fronteiras, da solidariedade universal.

Tratado do Novo Mandamento de Jesus

Ensinou o Cristo Ecumênico, o Divino Estadista: “Novo Mandamento vos dou: Amai-vos como Eu vos amei. Somente assim podereis ser reconhecidos como meus discípulos, se tiverdes o mesmo Amor uns pelos outros. (...) O meu Mandamento é este: que vos ameis como Eu vos tenho amado. Não há maior Amor do que doar a própria Vida pelos seus amigos. E vós sereis meus amigos se fizerdes o que Eu vos mando. E Eu vos mando isto: amai-vos como Eu vos amei. Já não mais vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor. Mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto aprendi com meu Pai vos tenho dado a conhecer. Não fostes vós que me escolhestes; pelo contrário, fui Eu que vos escolhi e vos designei para que vades e deis bons frutos, de modo que o vosso fruto permaneça, a fim de que tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome, Ele vos conceda. E isto Eu vos mando: que vos ameis como Eu vos tenho amado. (...) Porquanto, da mesma forma como o Pai me ama, Eu também vos amo. Permanecei no meu Amor".

(Reunido por Paiva Netto(www.paivanetto.com.br), consoante o Evangelho do Cristo de Deus, segundo João, 13:34 e 35; 15:12 a 17 e nono)

Quero oferecer ao seu coração a essência desta página, que para mim é a mais bela do mundo!
recadso para hoje

Excelentes mensagens você encontra aqui. Clique!


MSN e E-mail : fernando_s144@hotmail.com
amigo_dos_anjos_144@hotmail.com

(QUAL O SEU E-MAIL)

Um abraço fraternal Lúcia

Amigos dos Anjos
Às 17:03 em 13 setembro 2009, Lidia Regina Szelbracikowski disse...
Que as bençaos de'" schim wod hê Yod hê" te abençoe sempre querida irmã m e chamou a atenção as letras hebraicas querida seja sempre bem vinda em anjos de luz,que a paz do senhor te aconpanhe sempre!pertenço à ACF academia p/ ciencia futura! bjus!
Às 0:45 em 12 setembro 2009, Claudenir R. F. dos Anjos disse...
Kathys comments
Kathys-Comments.com
Fim de semana iluminado !
 
 
 

Seja um apoiador de Anjo de Luz

Para mantermos os sites de Anjo de Luz, precisamos de ajuda financeira. Para nos apoiar é só clicar!
Ao fazer sua doação você expressa sua gratidão pelo serviço! Lembre-se que dar e receber são aspectos diferentes do fluxo de energia no Universo.

 
Visit Ave Luz

 

PUBLICIDADE




Badge

Carregando...

Co-criando A NOVA TERRA

«Que os Santos Seres, cujos discípulos aspiramos ser, nos mostrem a luz que
buscamos e nos dêem a poderosa ajuda
de sua Compaixão e Sabedoria. Existe
um AMOR que transcende a toda compreensão e que mora nos corações
daqueles que vivem no Eterno. Há um
Poder que remove todas as coisas. É Ele que vive e se move em quem o Eu é Uno.
Que esse AMOR esteja conosco e que esse
PODER nos eleve até chegar onde o
Iniciador Único é invocado, até ver o Fulgor de Sua Estrela.
Que o AMOR e a bênção dos Santos Seres
se difunda nos mundos.
PAZ e AMOR a todos os Seres»

A lente que olha para um mundo material vê uma realidade, enquanto a lente que olha através do coração vê uma cena totalmente diferente, ainda que elas estejam olhando para o mesmo mundo. A lente que vocês escolherem determinará como experienciarão a sua realidade.

Oração ao Criador

“Amado Criador, eu invoco a sua sagrada e divina luz para fluir em meu ser e através de todo o meu ser agora. Permita-me aceitar uma vibração mais elevada de sua energia, do que eu experienciei anteriormente; envolva-me com as suas verdadeiras qualidades do amor incondicional, da aceitação e do equilíbrio. Permita-me amar a minha alma e a mim mesmo incondicionalmente, aceitando a verdade que existe em meu interior e ao meu redor. Auxilie-me a alcançar a minha iluminação espiritual a partir de um espaço de paz e de equilíbrio, em todos os momentos, promovendo a clareza em meu coração, mente e realidade.
Encoraje-me através da minha conexão profunda e segura e da energia de fluxo eterno do amor incondicional, do equilíbrio e da aceitação, a amar, aceitar e valorizar  todos os aspectos do Criador a minha volta, enquanto aceito a minha verdadeira jornada e missão na Terra.
Eu peço com intenções puras e verdadeiras que o amor incondicional, a aceitação e o equilíbrio do Criador, vibrem com poder na vibração da energia e na freqüência da Terra, de modo que estas qualidades sagradas possam se tornar as realidades de todos.
Eu peço que todas as energias e hábitos desnecessários, e falsas crenças em meu interior e ao meu redor, assim como na Terra e ao redor dela e de toda a humanidade, sejam agora permitidos a se dissolverem, guiados pela vontade do Criador. Permita que um amor que seja um poderoso curador e conforto para todos, penetre na Terra, na civilização e em meu ser agora. Grato e que assim seja.”

© 2019   Criado por Fada San.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço