Anjo de Luz

Informação é Luz , ajude a propagar

Texto interessantíssimo para os amantes das verdadeiras aventuras de Indiana Jones



ACADEMIA RAIO DOURADO UNIVERSAL
IRMANDADE ARCO IRIS
LIMEIRA SP
MANTENDO A LUZ PARA UMA TERRA SAGRADA
COORDENAÇÃO JACKIE PAERÓ e RENATO GARCIA
Com esta mensagem faço minha homenagem ao amigo querido que já não se encontra fisicamente conosco , mais por quem meu apreço e admiração o trazem sempre a
minha lembrança .
Grata por tudo Timothy!! (Timothy Paterson, sobrinho do Cel. Fawcett)
Jackie Paeró

Texto interessantíssimo para os amantes das verdadeiras aventuras de Indiana Jones ,conheça a história do homem que inspirou , por sua coragem e nobreza o mito.



Serra do Roncador

A Serra do Roncador (MT), sem dúvida, é um dos lugares mais místicos do Brasil.

Muito há que se dizer sobre essa misteriosa região do Roncador, temerosa e inacessível, cheia de dificuldades.

Baseados em fatos tidos como lendas, muitas descobertas arqueológicas foram feitas, e muitos segredos que jaziam adormecidos no seio da Terra vieram à luz, porque uns poucos homens
acreditaram nelas.

Como exemplo, citamos a redescoberta de : Tróia, Herculano, Pompéia, Nínive, Ur, etc.

Tudo que não se consegue provar aos olhos humanos, transforma-se em lenda, mas, atrás de cada lenda jaz adormecida uma verdade, pois é o fruto de uma realidade perdida, eco longínquo
de fatos, quase sempre deturpados através dos tempos, mas nem por isso deixando
de conter um fundo de verdade.

No ano de 1925 o explorador inglês Percy Harrison Fawcett, desapareceu na cidade subterrânea de Ibez na Serra do Roncador junto com seu filho Jack e o amigo Raleigh
Rimel.

A expedição se converteu em lenda, já que objetivo máximo, era encontrar as chaves da cidade Atlantes que estaria intacta e que sua entrada se situaria numa cavidade
subterrânea.

Até nossos dias, ainda há aventureiros que esperam encontrar esse lugar que havia absorvido a muitos anos aqueles exploradores ingleses.

Acredita-se que nesse lugar se encontra o símbolo mais importante e poderoso do império incaico, chamado Disco Solar.

Na rota explorada em busca do el Paititi, se encontra um muro com símbolos que dariam as chaves para o ingresso a esse mundo subterrâneo, já que os mesmos indígenas Machiguengas, guardiãos do
lugar, dizem que dentro dele vive gente.

PATERSON - Outro que não poderíamos deixar de citar é o eminente pesquisador Timothy Paterson, sobrinho do Cel. Fawcett.

É de nacionalidade inglesa, arqueólogo, explorador e esoterista, ex-oficial da infantaria do exército da Rainha da Inglaterra e já esteve por algumas vezes no Brasil.

Em 1.980, Paterson publicou um livro na Itália, onde estava residindo, intitulado O Templo de IBEZ (publicado no Brasil em 1.983), onde procurou explicar a origem de IBEZ (já mencionada
anteriormente), enigma de caráter universal que oculta o mistério do Rei do
Mundo.

Também tratou da expedição do Cel. Fawcett (seu tio) sob o enfoque iniciático e de seu desaparecimento na Serra do Roncador, além de tratar especialmente daquela região misteriosa no
estado de Mato Grosso. Assim ele escreveu:

“A atual cidade de IBEZ no Roncador, da qual o Monastério Teúrgico do Roncador é um prolongamento externo, é presidida pelo Logos Solar dos Mestres Teúrgicos, chefiada por sua vez pelo
‘Quinto Senhor’”.

Na cidade subterrânea de IBEZ as pessoas se movem ainda entre a terceira e a quarta dimensões, onde ainda os ‘deuses caminham entre os homens’, como acontecia sobre a Terra antes de sua
Queda.

Na cidade subterrânea de IBEZ no Roncador está conservado o resplandecente Homem de Ouro, que não é outro senão o El Dorado que os conquistadores espanhóis procuram em vão durante
anos.

Também sobre o assunto, resumimos uma entrevista concedida ao jornal carioca O Globo, em 1939, pelo Instrutor-Chefe da S. B. E., Professor Antonio Castaño Ferreira (Coluna J do
nosso Vem. Mestre), que saiu publicada com o seguinte título: Uma Montanha
Sagrada no Roncador, já citada nos Textos Antigos: Baseando-nos na tradição
secreta, de que esta Instituição é depositária, para afirmar os fatos estranhos
sobre O Roncador, pois estamos ligados espiritualmente a todos os centros
místicos do mundo, que conservam, desde a mais remota Antigüidade, uma ciência
avançadíssima.

Tal ciência hierática e avassaladora pretende abarcar em toda a plenitude de sua intrínseca natureza, a lei que rege a evolução.

Por isso a nós outros é concedido o direito de sabermos não só da história de quantas civilizações já floresceram na Terra, como também das que vão surgir no
futuro.

Todas as civilizações prendem-se, nas suas origens mais afastadas, a um centro orográfico que persiste na história, para uns, e na lenda para outros, como local sagrado onde os deuses
se apresentavam, para confiar aos caudilhos da raça as grandes verdade que
deveriam perpetuar-se em sua prístina pureza, no âmago das
religiões.

Uma expedição norte-americana estipendiada pela revista The National Geografic Magazine, descobriu no Peru, próximo ao Rio Urubamba, as monumentais ruínas do império inca de Machu-Pichu,
otimamente descrito na citada revista.

Daí se pode tirar a ligação de que Machu-Pichu se comunica subterraneamente com o Ararat brasileiro ou o misterioso Roncador. Os homens da “Bandeira Piratininga” poderão atingir o
Roncador, encontrar as reminiscências de remotíssimas civilizações, tal como
aconteceu com a expedição americana aludida acima, topar até com grandes seres,
falar-lhes, mas os segredos propriamente ditos, do Roncador, e que constituem o
cabedal de tradições milenares, e a razão cíclica de existirem centros como
aquele, isso ser-lhes-á irredutivelmente negado.

(Esta entrevista, como se vê, foi realizada por ocasião da partida da célebre Bandeira Piratininga, que se propunha, entre outras coisas, a desvendar a realidade da existência da Serra do
Roncador, tida por muitos como uma lenda).

A história sobre as causas que teriam arrastado Fawcett à aventura foi dada a público pelo bandeirante Willy Aureli, chefe e organizador da já citada “Bandeira Piratininga”, ao qual coube a
glória de, arrostando perigos e com esforços sobre-humanos, alcançar a tão
decantada Serra do Roncador, provando assim a sua real existência, dada como
fictícia, pois jamais fora atingida nos tempos recentes por qualquer outra
expedição.

Em seu livro intitulado Bandeirantes do Oeste, aquele sertanista dedica um capítulo inteiro ao Cel. Fawcett.

Diz ele: Foi quando surgiu no meu horizonte o Coronel Sir Percival Fawcett, o homem que até hoje atrai as atenções do mundo civilizado por ter desaparecido misteriosamente quando tentava
alcançar a Serra do Roncador e descobrir, conforme ele mesmo declarara, os
restos da mitológica Atlântida e um estranho povo que estaria vivendo nos
contrafortes e dobras da cordilheira!

Em 1º de dezembro de 1951, a conceituada revista carioca”O Cruzeiro”, publicava uma reportagem de Bernard-Claud Gauthier sob o título: “A Verdade sobre
Fawcett”.

Essa reportagem trazia um relato surpreendente, feito pela Sra. Nina Fawcett, que vivia na Suíça, da qual extraímos alguns trechos que nos mostram haver por trás dos fatos aparentes, a
existência de outras personagens que, a seu modo, atuam de maneira diferente.
Disse a Sra. Fawcett: É possível que muita gente julgue excepcional, talvez
mesmo incrível a história de nossa vida.

Mas o que vou dizer é a pura verdade. Tenho, atualmente, oitenta e um anos de idade e, quanto mais penso no passado, mais vejo nele a marca de uma misteriosa fatalidade... Depois de
relembrar seu primeiro encontro com aquele que seria anos mais tarde seu esposo,
relata madame Fawcett: Finalmente, a 29 de outubro de 1890, ficamos
noivos.

E uma vez, logo depois deste dia, Percy (de Percival, o primeiro nome de Fawcett) contou-me uma história fantástica.

Antes de me conhecer, quando servia ele na guarnição de Trincomali, pequenino porto do Ceilão, foi abordado por um desconhecido, que esperava à saída da fortaleza. Era um homem alto e
vigoroso, que trazia nos braços cruzados uma estatueta de
Buda.

O homem se deteve, fez reverência, e entregando-lhe o sagrado objeto, falou com voz forte:

Mestre, escutai minhas palavras. Este Buda trará sorte para vós e vossa família, mas é preciso que nenhum criado toque nesta imagem, que deve repousar constantemente sobre um pedaço de seda
amarela, cor da divindade.

E o misterioso mensageiro afastou-se sem dizer mais nada”. Depois de recapitular vários trechos de sua vida, Mme. Fawcett chega, finalmente, ao ponto culminante da
entrevista.

Eis, a seguir, suas próprias palavras, segundo o repórter que a procurara: Ficamos alguns meses em Londres.

Depois partimos para Marrocos e, mais tarde, para Hong-Kong. Meu marido trabalhava então pra o “Inteligence Service”.

Em fevereiro de 1903, tomei o navio para Ceilão, onde havia de nascer o meu primeiro filho. Jack. Foi nessa época que aconteceu a meu marido nova aventura
extra-ordinária.

Antes de chegar à nossa casa, quando de sua vinda do Ceilão, encontrou seis astrólogos vindos especialmente do norte da Índia, para dar-lhe uma notícia: Mestre, disseram eles, um grande
espírito aproveitou-se dos laços existentes entre vós e vossa esposa, para
reencarnar entre vós.

Não mais voltareis a Hong-Kong e será aqui, durante as festas de Buda, no dia 19 de maio, que vossa mulher dará nascimento a um menino, que será pai de uma nova raça. Quando crescer, este
menino irá convosco para terras longínquas do sul, onde ambos desaparecereis
juntos ... vosso filho voltará ao seio de sua antiga raça... Sei que essa
história pode parecer absurda – continuou madame Fawcett – eu própria não sei
dizer o que ela encerra de verdade.

Mas o fato é que foi no dia 19 de maio de 1903 que Jack veio ao mundo.

E meu marido, depois de estudar longamente as doutrinas budistas, costumava perguntar-me:

Afinal por que será isso tudo impossível? Depois de alguns felizes anos passados em Ceilão, voltamos à Inglaterra, Fawcett começou a fazer viagens para a Grã-Bretanha, o Peru e o
Brasil.

Percy estava na América. Começava a conhecer e a amar essas terras distantes, a respeitar os indígenas que as habitavam.

Sabia que era ali que estava escrito o seu destino.

Contudo, ao estalar a guerra, voltou à Pátria. Combateu com denodo na França. Terminada a guerra, regressou ao Brasil, levando consigo Jack.

Lembro-me, ainda, de suas últimas palavras: Até à vista! Seja sempre alegre!

O repórter que a entrevista forçou uma última pergunta: Madame, acredita que seu marido tenha morrido nas selvas de Mato Grosso? Que hei de dizer-lhe? Haveria de responder para
provocar um sorriso dos céticos, que continuo em contato telepático com meu
marido, e que estou certa de que tanto ele como Jack, estão vivos, que creio nas
palavras proféticas dos seis sábios da Índia? Não, direi apenas isso: se amanhã
ou depois, vir o coronel Fawcett e nosso filho entrarem pela porta do jardim,
não me surpreenderei absolutamente.

Direi apenas como sempre: Alô!” Aqui termina a entrevista de Madame Fawcett, e também praticamente, a história de seu esposo.

Mas Madame Fawcett, ao dar-se crédito ao que vamos relatar a seguir, não disse ao repórter tudo o que sabia. Apanhemos novamente o livro “Bandeirantes do Oeste” de Willy Aureli, e
transcrevamos mais um trecho do mesmo: Agora, para fechar o parênteses, devo
dizer da carta recentemente recebida pelo meu ex-companheiro da jornada de1938,
o sr. Heinz Himmelreich, o Dr. Saúva do meu livro “Roncador”.

Essa missiva, deveras impressionante, foi resposta a determinada interpelação. Escreveu-a o cientista suíço, Dr. Arnaldo Bachmann, residente em Obern-Hergen, cantão de Zurich, das
relações da senhora Fawcett.

Essa senhora exibiu-lhe o arquivo do marido e declarou que recebe, volta e meia, correspondência do esposo que todos julgam morto.

Disse que o coronel Fawcett se encontra em“zona pátria”, e com ele, o filho e o Dr. Rimmel.

Vivem entre os índios Kamayurás(Orizés-Procaizés), e que são brancos. Mostrou, a dama, interessantes fotografias tiradas pelo Dr. Rimmel e que ela recebe “por canais
misteriosos”.

Um trecho dessa carta diz textualmente: “Eu tenho em meu poder documentos que, se publicados, levantariam tremenda sensação no mundo inteiro!

Mas só os publicarei quando da saída de minha expedição. Lady Fawcett não está mais interessada em custear expedições para procurar o marido, pois ela sabe ter Sir Percival Fawcett
alcançado todos os escopos e não ter sido morto pelos índios, nem comido pelos
cachorros e nem seus ossos dispersados pelos ventos!

No decorrer dos anos, chegaram da selva dos Morros Azuis, notícias para a Europa, por caminhos desconhecidos, sem qualquer dúvida, mas originais, de Fawcett está plenamente esclarecido com
esses documentos que eu, logo após o começo de minha expedição, vou entregar ao
mundo!

Aí estão um série de depoimentos sobre o caso Fawcett que tivemos que abordar longamente, a fim de bem elucidar aquelas afirmações aparentemente utópicas, com referência a um Centro Iniciático
na região central do Brasil.

Não resta dúvida de que são muito estranhos os fatos que envolvem a vida daquele homem singular.

No Brasil existem remanescentes de quase todos os grandes povos que habitaram, nos milênios passados, o nosso planeta. Aqui jazem remanescentes de etruscos, pelasgos,
egípicios, fenícios, babilônicos, persas, etc; para não falarmos nos
atlantes, cujos descendentes degenerados podem ser encontrados em tribos
perdidas na imensidão do nosso território.

Poderíamos nos alongar em citações que comprovam esta nossa assertiva, porém ela foge aos limites deste trabalho. Dia chegará em que se estudará convenientemente a história dos
vários ramos raciais que povoaram o Brasil desde tempos remotos e nesse dia
então iremos realmente compreender que no âmago das lendas e tradições
dos seus remanescentes repousavam verdadeiros tesouros
históricos.

O Brasil é um imenso canteiro de povos e aqui se deu e ainda se dará uma imensa miscigenação, da qual surgirá aquela raça cósmica a que se referiu intuitivamente o sociólogo
mexicano José de Vasconcelos, quando ao visitar a nossa pátria assim se
exprimiu:

“É dentre as bacias do Amazonas e do Prata, que surgirá a Raça Cósmica, que realizará a concórdia universal, pois será filha das dores e das esperanças de toda a
humanidade”.


Publicada na Revista Dhâranâ, edição nº 5, 1979. Coordenação da matéria: Dirce Bonfá.

Exibições: 12

Comentar

Você precisa ser um membro de Anjo de Luz para adicionar comentários!

Entrar em Anjo de Luz

Comentário de maria almeida em 17 abril 2011 às 20:08
Namastê
Comentário de ANDRA em 25 novembro 2010 às 16:27
Namaste.

Seja um apoiador de Anjo de Luz

Para mantermos os sites de Anjo de Luz, precisamos de ajuda financeira. Para nos apoiar é só clicar!
Ao fazer sua doação você expressa sua gratidão pelo serviço! Lembre-se que dar e receber são aspectos diferentes do fluxo de energia no Universo.

 
Visit Ave Luz

 

PUBLICIDADE




Badge

Carregando...

Co-criando A NOVA TERRA

«Que os Santos Seres, cujos discípulos aspiramos ser, nos mostrem a luz que
buscamos e nos dêem a poderosa ajuda
de sua Compaixão e Sabedoria. Existe
um AMOR que transcende a toda compreensão e que mora nos corações
daqueles que vivem no Eterno. Há um
Poder que remove todas as coisas. É Ele que vive e se move em quem o Eu é Uno.
Que esse AMOR esteja conosco e que esse
PODER nos eleve até chegar onde o
Iniciador Único é invocado, até ver o Fulgor de Sua Estrela.
Que o AMOR e a bênção dos Santos Seres
se difunda nos mundos.
PAZ e AMOR a todos os Seres»

A lente que olha para um mundo material vê uma realidade, enquanto a lente que olha através do coração vê uma cena totalmente diferente, ainda que elas estejam olhando para o mesmo mundo. A lente que vocês escolherem determinará como experienciarão a sua realidade.

Oração ao Criador

“Amado Criador, eu invoco a sua sagrada e divina luz para fluir em meu ser e através de todo o meu ser agora. Permita-me aceitar uma vibração mais elevada de sua energia, do que eu experienciei anteriormente; envolva-me com as suas verdadeiras qualidades do amor incondicional, da aceitação e do equilíbrio. Permita-me amar a minha alma e a mim mesmo incondicionalmente, aceitando a verdade que existe em meu interior e ao meu redor. Auxilie-me a alcançar a minha iluminação espiritual a partir de um espaço de paz e de equilíbrio, em todos os momentos, promovendo a clareza em meu coração, mente e realidade.
Encoraje-me através da minha conexão profunda e segura e da energia de fluxo eterno do amor incondicional, do equilíbrio e da aceitação, a amar, aceitar e valorizar  todos os aspectos do Criador a minha volta, enquanto aceito a minha verdadeira jornada e missão na Terra.
Eu peço com intenções puras e verdadeiras que o amor incondicional, a aceitação e o equilíbrio do Criador, vibrem com poder na vibração da energia e na freqüência da Terra, de modo que estas qualidades sagradas possam se tornar as realidades de todos.
Eu peço que todas as energias e hábitos desnecessários, e falsas crenças em meu interior e ao meu redor, assim como na Terra e ao redor dela e de toda a humanidade, sejam agora permitidos a se dissolverem, guiados pela vontade do Criador. Permita que um amor que seja um poderoso curador e conforto para todos, penetre na Terra, na civilização e em meu ser agora. Grato e que assim seja.”

© 2020   Criado por Fada San.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço