Anjo de Luz

Informação é Luz , ajude a propagar

Obra "A Ciência Oculta" - Rudolf Steiner.
A atuação que os seres espirituais estacionados no estado lunar exerciam sobre o homem teve para este uma dupla conseqüência. Sua consciência foi, com isso, despida do caráter de simples espelho do Universo, pois no corpo astral humano foi estimulada a possibilidade de regular e dominar as imagens da consciência. O homem se tornou senhor de seu conhecimento. Por outro lado, o ponto de partida dessa soberania era justamente o corpo astral; e o eu, que lhe era superior, veio a ficar sob sua contínua dependência. Assim o homem ficou, para todo o futuro, exposto à incessante influência de um elemento inferior em sua natureza. Ele pôde, em sua vida, descer a um nível inferior àquele em que os seres terrilunares o haviam colocado, dentro do suceder universal. E para as épocas posteriores subsistiu, sobre sua natureza, a incessante influência dos caracterizados seres lunares irregularmente evoluídos. Pode-se chamar esses seres lunares - ao contrário dos outros que, atuando da Lua terrenal, formavam a consciência como espelho do Universo mas não concediam qualquer livre-arbítrio - de espíritos luciféricos. Estes ofereceram ao homem a possibilidade de desenvolver em sua consciência uma atividade livre, mas com isso também a possibilidade do erro, do mal.

A conseqüência desses processos foi que o homem estabeleceu, com os espíritos solares, uma relação diferente daquela que lhe fora destinada pelos espíritos terrilunares. Estes queriam desenvolver o espelho de sua consciência de tal forma que, em toda a vida anímica humana, a influência dos espíritos solares fosse o elemento predominante. Esses processos foram entrecortados, tendo-se criado no ser humano o contraste entre a in-fluência do Espírito Solar e a influência dos espíritos com evolução lunar irregular. Em decorrência desse contraste, surgiu no homem também a impossibilidade de reconhecer as influências solares físicas como tais; estas permaneceram, para ele, ocultas atrás das impressões terrestres do mundo exterior. O elemento astral do homem, repleto dessas impressões, foi atraído para a esfera do eu. Esse eu, que de outra forma só havia notado a centelha de fogo acendida nele pelos Espíritos da Forma, e em tudo o que concernia ao fogo exterior submetera-se aos mandamentos desses seres, passou desde então a atuar, também graças ao elemento infundido nele próprio, sobre os fenômenos calóricos exte-riores. Com isso estabeleceu um laço de atração entre ele e o fogo terrestre, inserindo assim o homem na materialidade terrestre mais profundamente do que lhe fora predestinado. Enquanto anteriormente o homem possuía um corpo físico cujas partes prin-cipais eram constituídas de fogo, ar e água, e ao qual se acrescentara algo como uma silhueta de substância terrestre, agora o corpo composto de terra tornou-se mais denso.
[...]
Pelo fato de o homem se expor a influências do mundo extenor, conforme suas próprias representações mentais sujeitas a erros, e por viver segundo apetites e paixões que ele não deixou regular pelas influências espirituais superiores, surgiu a possibilidade de doenças. No entanto, um efeito especial da influência luciférica foi que de então em diante o homem já não podia sentir sua vida terrestre individual como continuação da existência incorpórea. A partir daí ele recebia impressões terrestres que podiam ser vivencíadas por meio do elemento astral infundido e se ligavam às forças que destruíam o corpo físico. O homem sentia isso como a extinção de sua vida terrestre. E assim surgiu a ‘morte’, causada pela própria natureza humana. Com isso tocamos num significativo mistério da natureza do homem: a relação do corpo astral humano com as enfermidades e a morte.
Para o corpo vital humano surgiram, então, circunstâncias especiais. Ele foi integrado numa tal relação entre os corpos físico e astral que, em certo sentido, viu-se subtraído às faculdades das quais o homem se havia apropriado pela influência luciférica. Uma parte desse corpo vital permaneceu de tal maneira fora do corpo físico que agora podia ser dominada pelas entidades superiores, e não pelo eu humano. Essas entidades superiores eram aquelas que, quando da separação do Sol, abandonaram a Terra para, sob a direção de uma das mais elevadas entre elas, assumir outro domicílio. Se a referida parte do corpo vital tivesse permanecido unida ao corpo astral, o homem teria colocado a seu próprio serviço as forças supra-sensíveis que anteriormente lhe pertenciam — teria estendido a influência luciférica a essas forças. Com isso se teria afastado gradualmente dos seres solares, e seu eu se teria tornado um eu puramente terrestre. Necessariamente ocorreria que, depois da morte do corpo físico (ou seja, já durante sua decadência), esse eu terrestre teria habitado outro corpo físico, o corpo de um descendente, sem passar por uma ligação com entidades espirituais superiores num estado incorpóreo. O homem teria assim chegado à consciência de seu eu, mas apenas como um ‘eu terrestre’. Isso foi evitado graças àquele processo com o corpo vital, provocado pelos seres terrilunares. Com isso o eu individual propriamente dito foi tão separado do simples eu terrestre que, durante sua vida terrena, na verdade o homem só se sentia parcialmente como um eu individual, ao mesmo tempo sentindo como seu eu terrestre era uma continuação do eu terrestre de seus antepassados através de gerações. A alma sentia, na vida terrena, uma espécie de ‘eu grupal’ estendido até os antepassados remotos, e o homem tinha a sensação de ser membro do grupo. Somente no estado incorpóreo o eu individual podia sentir-se como ser individual. Porém o estado dessa individuação era prejudicado pelo fato de o eu continuar sujeito à recordação da consciência terrestre (eu terrestre). Isso obscurecia a visão do mundo espiritual, que entre a morte e o nascimento começava como que a cobrir-se com um véu, tal qual em relação à visão física na Terra.

Exibições: 18

Responder esta

Seja um apoiador de Anjo de Luz

Para mantermos os sites de Anjo de Luz, precisamos de ajuda financeira. Para nos apoiar é só clicar!
Ao fazer sua doação você expressa sua gratidão pelo serviço! Lembre-se que dar e receber são aspectos diferentes do fluxo de energia no Universo.

 
Visit Ave Luz

 

PUBLICIDADE




Badge

Carregando...

Co-criando A NOVA TERRA

«Que os Santos Seres, cujos discípulos aspiramos ser, nos mostrem a luz que
buscamos e nos dêem a poderosa ajuda
de sua Compaixão e Sabedoria. Existe
um AMOR que transcende a toda compreensão e que mora nos corações
daqueles que vivem no Eterno. Há um
Poder que remove todas as coisas. É Ele que vive e se move em quem o Eu é Uno.
Que esse AMOR esteja conosco e que esse
PODER nos eleve até chegar onde o
Iniciador Único é invocado, até ver o Fulgor de Sua Estrela.
Que o AMOR e a bênção dos Santos Seres
se difunda nos mundos.
PAZ e AMOR a todos os Seres»

A lente que olha para um mundo material vê uma realidade, enquanto a lente que olha através do coração vê uma cena totalmente diferente, ainda que elas estejam olhando para o mesmo mundo. A lente que vocês escolherem determinará como experienciarão a sua realidade.

Oração ao Criador

“Amado Criador, eu invoco a sua sagrada e divina luz para fluir em meu ser e através de todo o meu ser agora. Permita-me aceitar uma vibração mais elevada de sua energia, do que eu experienciei anteriormente; envolva-me com as suas verdadeiras qualidades do amor incondicional, da aceitação e do equilíbrio. Permita-me amar a minha alma e a mim mesmo incondicionalmente, aceitando a verdade que existe em meu interior e ao meu redor. Auxilie-me a alcançar a minha iluminação espiritual a partir de um espaço de paz e de equilíbrio, em todos os momentos, promovendo a clareza em meu coração, mente e realidade.
Encoraje-me através da minha conexão profunda e segura e da energia de fluxo eterno do amor incondicional, do equilíbrio e da aceitação, a amar, aceitar e valorizar  todos os aspectos do Criador a minha volta, enquanto aceito a minha verdadeira jornada e missão na Terra.
Eu peço com intenções puras e verdadeiras que o amor incondicional, a aceitação e o equilíbrio do Criador, vibrem com poder na vibração da energia e na freqüência da Terra, de modo que estas qualidades sagradas possam se tornar as realidades de todos.
Eu peço que todas as energias e hábitos desnecessários, e falsas crenças em meu interior e ao meu redor, assim como na Terra e ao redor dela e de toda a humanidade, sejam agora permitidos a se dissolverem, guiados pela vontade do Criador. Permita que um amor que seja um poderoso curador e conforto para todos, penetre na Terra, na civilização e em meu ser agora. Grato e que assim seja.”

© 2021   Criado por Fada San.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço