Anjo de Luz

Informação é Luz , ajude a propagar

Informação

♥ " ELOS DE AMOR " ♥

Acredito que todos nós somos uma grande Corrente do bem, e cada um de nós somos o ELO DE AMOR que unifica esta corrente.

Membros: 87
Última atividade: 14 Maio, 2013

" ALGUÉM HOJE "

Alguém hoje ainda talvez te procure pedindo auxílio.
Alguém que provavelmente não fale, mas trará nos olhos a súplica de amparo que a palavra nem sempre diz.
Alguém que terá errado, a rogar-te um gesto de simpatia, a fim de retificar-se;que se vê sob o frio da angúsia, esmolando segurança;que haverá perdido afeições inesquecíveis no nevoeiro da morte, a implorar-te reconforto; que padecerá solidão, mendingando alguns momentos de companhia...Não te afirmes incapaz, nem te digas ínútil.Auxilia como puderes.
O Céu saberá usar-te.
Organiza as tuas prateleiras de bondade e serve esperança e coragem aos que te busquem apoio.
Ofereça-te para o trabalho do bem, como te encontras e tal qual és, fazendo o melhor de ti.Não temas.Se desejas renovação e se tens fé, podes claramente entrar no serviço ao próximo, a colaborar no super mercado da luz entregando as bençãos de Deus

Caixa de Recados

Comentar

Você precisa ser um membro de ♥ " ELOS DE AMOR " ♥ para adicionar comentários!

Comentário de Verdade em 24 janeiro 2013 às 6:44

Comentário de KATIA CEI em 21 dezembro 2009 às 23:24

Ser ou Ter?

Nossa correria diária não nos deixa parar
para perceber se o que temos já não é
o suficiente para nossa vida.

Nos preocupamos muito em TER: ter isso,
ter aquilo, comprar isso, comprar aquilo.

Os anos vão passando, quando nos damos
conta, esquecemos do mais importante
que é VIVER e SER FELIZ!

Muitas vezes para ser Feliz não é preciso
Ter, o mais importante na vida é SER.

As pessoas precisam parar de correr atrás
do Ter e começar a correr atrás do SER:
Ser Amigo, Ser Amado, Ser Gente.

Tenho certeza de que, quando SOMOS,
ficamos muito mais Felizes do que
quando Temos.

O SER leva uma vida para se conseguir e
o Ter muitas vezes conseguimos logo.

O SER não se acaba nem se perde com
o tempo, mas o Ter pode terminar logo.

O SER é eterno, o Ter é passageiro. Mesmo
que dure por muito tempo, pode não trazer
a Felicidade... E é aí que vem o vazio
na vida das pessoas...

Por isso, tente sempre SER e não Ter.
Assim você sentirá uma Felicidade
sem preço!

Espero que você deixe de cobrar o que
fez e o que não fez nos últimos anos e
que você tente o mais importante:

SER FELIZ!
BJNS..............DE LUZ!
Comentário de Rosana Ambrosio Salemi em 18 dezembro 2009 às 8:51
Um dia a gente entende...
Que amar significa se Dar por inteiro.
Que o silêncio é a melhor resposta quando ouvimos uma bobagem.
Que OS sonhos estão aí para serem alcançados.
Que amigos a gente conquista mostrando o que somos.
Que OS verdadeiros amigos estão ao nosso lado até o fim.
Que a maldade muitas vezes se esconde atrás de uma bela face.
Que não se espera a felicidade chegar, mas se procura por ela.
Que quando pensamos saber tudo descobrimos que temos muito a aprender.
Que um só dia pode ser mais importante do que muitos anos.
Que se pode confessar com a lua.
Que é possível viajar além do infinito.
Que ouvir uma palavra de carinho faz bem a saúde.
Que um gesto de amor sempre aquece o coração.
Que o julgamento alheio não é importante.
Que devemos ser criança a vida toda.
Que é preciso cultivar a Paz interior.
Que sonhar é preciso.
E que o mais importante de tudo....
é que somos livres para nossas escolhas.
Aproveite ao máximo cada instante de sua vida, pois ela é única.

Comentário de Denise Duarte em 12 dezembro 2009 às 20:28

LINDO CONTO DE NATAL
Passe o Bem Adiante....

A mulher ia, estrada a fora, no carrão importado. Asfalto novinho e pretinho. Chovia. De repente o estouro e o desequilíbrio do carro que sai catando cascalho da beira do barranco. Bate aqui, bate ali, até que pára, depois de entrar por uma estrada esburacada, de chão.

Depois do susto, a mulher chora. Nervosa e trêmula, desce e vai ver o estrago. Um amassado aqui, outro ali, nada muito grave, a não ser o pneu estourado. Olha para baixo, olha para cima da estradinha. Ninguém aparece. Noite chegando. Bem que tenta trocar o pneu, mesmo tomando chuva. Força pouca. Traquejo nenhum. Desiste. O desespero toma conta dela, que entra no carro e se entrega ao pranto chorando mágoas passadas. Aí, lá da baixada, aparece o vulto. Um homem a cavalo. Vem chegando e vê que algo estranho acontecera com o carro. Pára. Desce calmamente do cavalo e bate no vidro. A mulher, remoendo medo e esperança, encara o homem. Alto, moreno, barba por fazer, roupa suja, mãos cheias de vincos provocados pelos calos... ela abre apenas uma fresta no vidro.

- Pode abri, moça! Carece tê medo não! A senhora qué ajuda?

A mulher abanou a cabeça dizendo que sim.

- Ondé que fica o pneu?

Ela fez sinal que era lá atrás, no porta-malas, e acionou o botão. O homem pega o pneu, acha chave e macaco e começa a fazer a troca, adivinhando tudo, por não entender nada. Homem acostumado com cavalo e roça não entende muito dessas máquinas não. Foi por isso que o macaco, mal colocado, escapou, sujigando a mão esquerda dele contra uma pedra, fazendo-a sangrar. A mulher teve dó e, pesarosa, abriu a porta.

- Tome aqui um lenço de papel! Limpe o sangue da mão!

- Não, moça! Podexá!

E passou a mão na calça suja, limpando-a do sangue teimoso, dispensando o lenço de papel cor-de-rosa.

- Moça! Pode entrá no carro! Fica aqui não! Tá choveno e tá frio! Lá dentro tá quentinho! Vai pra lá!...

Foi aí que ela observou que o homem estava todo ensopado pela chuva e, conseqüentemente, tremia de frio. Ela entra no carro, abre um pouco mais o vidro e começa a procurar assunto.

- Como é seu nome?

- É Tarcísio, moça!

- O senhor mora onde?

- É bem perto onde moro, meia légua daqui!

A mulher ficou sem saber se era longe ou perto. Observou o tempo, cada vez mais escuro. Noite chegando e a fome também.

- Sou da capital, senhor Tarcísio! Resolvi viajar sozinha. Nunca tinha feito isso. Meu marido deixei lá... nós brigamos...

A mulher parou de falar. Tomada repentinamente pela emoção, os soluços tomaram-lhe as palavras. Vez por outra ela se acalmava, sua dor doía menos e continuava o seu desabafo. Parece que precisava contar para alguém a sua história. Foi assim que Tarcísio ficou sabendo que o marido tinha muito dinheiro e muitas posses. E Tarcísio viu que ele tinha também uma mulher muito bonita. E ficou sabendo que não eram felizes. O marido vivia mais fora de casa do que dentro, envolvido com negócios, com os amigos e com as amantes. E foram as amantes o principal motivo da briga, desta vez. Tarcísio só ouvia, até que terminou de trocar o pneu. A mulher convidou-o para entrar no carro. Queria conversar mais.

- Não, moça, posso não! Tô sujo e intanguido de frio. Tenho que ir embora. A noite já chego e minha mulher me espera!...

- Sua mulher, senhor Tarcísio? O senhor é casado?

- Sim, moça! E muito bem casado, com a graça de Deus! E óia só como é o mundo. Enquanto a senhora foge do seu marido eu vô pra junto da minha mulher... tem duas semanas que a gente tá longe um do outro... tô morrendo de saudades!... Eu tava trabalhando...

- O senhor faz o quê, senhor Tarcísio?

- Trabaio na roça, moça! Planto arroz, milho e feijão. No meio planto abóbora, quiabo, melancia... na beirada planto batata doce, inhame e mandioca... dá pra despesa!...

A mulher entendeu que Tarcísio tinha pressa. Queria ir ver sua amada. Era noite de Natal.

- Por que o senhor não deixa seu cavalo aí e vem comigo? Levo-o onde o senhor quiser!

- Não, moça! Depois do Natal, vorto pra a roça. E é nesse cavalinho que eu vou. Se ele ficá aqui, arrisco perdê o bichim...

- Senhor Tarcísio, quero pagar pelo que o senhor me fez. Quanto lhe devo?

- Quanto deve? Nada não, moça! Não fiz isso por dinheiro!

- Mas, senhor Tarcísio, empatei mais de uma hora da sua vida! Se não fosse o senhor, eu estaria aqui, correndo risco de vida... além do mais, o senhor até machucou a mão! Pode dizer o preço que eu pago!

- Não, moça! A senhora não tem que pagá nada! A gente, quando faz o bem, não deve pedir nada em troca. Só deve querer que o bem continue sendo feito, sem parar! É assim que penso, moça!

A mulher tirou cinco notas de cem reais e ia entregá-las ao Tarcísio. Ele já tinha montado no cavalo.

- Óia, moça! Faz o seguinte: se eu lhe fiz bem e a senhora gostô, passe o bem para a frente! Faça outra pessoa feliz!

E tocou o cavalo, sumindo noite a dentro. Os olhos da mulher voltaram a ficar cheios de lágrimas. Não mais de tristeza. De emoção. Ela descobriu, ali naquele canto de mundo, vinda de um matuto sem estudos, de quem tivera medo no início, a maior lição de vida. Passar o bem para a frente...

- Ah, se todo mundo fizesse assim!...

E ligou o carro. Entrou no asfalto, disposta a achar um lugar onde comer alguma coisa. Rodou pouco e encontrou uma lanchonete de beira de estrada. Entrou e foi para uma mesa, com um monte de olhos de machos presos nela. Mulher tão distinta e tão bonita num lugar desses!... Uma garçonete veio atendê-la. Ela pensou: o que haverá de menos sujo por aqui? Um refrigerante talvez. E para comer? Uma fruta, decerto...

- Quero um guaraná! Que fruta vocês têm?

- Fruta? É...

- Sim, fruta! Já é tarde para comer outra coisa. Prefiro fruta!

- Olha, moça, aqui não tem fruta. Se a senhora esperar um pouquinho, tenho umas bananas. Moro bem ali, no fundo da lanchonete...

- Isto! Isto mesmo que eu quero! Você busca para mim? Bananas com guaraná!...

A garçonete esboçou um sorriso simpático e foi atrás do pedido. Trouxe o guaraná e saiu para buscar as bananas. Aí foi que a mulher viu que a mocinha tinha certa dificuldade para andar. Andava devagar. Observou bem e descobriu o motivo. Gravidez. A garçonete deveria estar lá pelo oitavo mês de gravidez. Usava um vestido simples, coberto por um avental que disfarçava o tamanho da barriga. No rosto, um sorriso meigo e cativante era gentilmente distribuído a todos os que lhe dirigiam a palavra.

A mulher ficou comovida observando a garçonete, cansada e grávida, naquela noite de Natal, atendendo com um sorriso a quantos lhe procuravam. Pensou que dificuldade teria na vida essa pobre moça para ter que se submeter, já no final da gravidez, a um trabalho desses. Perdeu até a fome.

Quando a garçonete voltou, encontrou na mesa, debaixo do copo, ainda com um resto de guaraná, cinco notas de cem reais. E um bilhete, num lenço de papel cor-de-rosa: Obrigada pelo atendimento. Fique com esse dinheiro. É uma ajuda para o seu bebê que está chegando. Seja feliz e faça outras pessoas felizes. Passe a felicidade para frente!

A platéia que, atenta, observava o que acontecia naquela mesa, saiu do suspense quando a moça abriu-se num sorriso largo. E, aos poucos, cada um foi procurando seu canto, sempre recebendo da futura mãe uma boa noite e um feliz Natal.

A garçonete faz mentalmente inúmeros planos do que fazer com aquele dinheiro chegado em tão boa hora, quando mais necessitava, estando o filho por nascer. Enquanto isso, começa a cuidar dos tantos copos e pratos e talheres que ainda tem para recolher e lavar e enxugar... mas para completar seu presente, o patrão também assumira o espírito natalino.

- Deixe o trabalho para amanhã. Vá dormir. Feliz Natal!

O quarto da moça era nos fundos da lanchonete. Ela sai feliz, sorrindo, sentindo-se leve, embora com tanto peso na barriga. Abre a porta devagarzinho, para não fazer barulho. Toma um banho e vai para a cama, pensando no dinheiro e no bilhete que a mulher deixara. Aquela mulher tivera uma inspiração divina para saber o quanto ela e o marido precisavam daquele dinheiro. Com os raios da luz que entra pela janela, olha embevecida para o rosto do marido. Moreno, barba por fazer. A mão esquerda, fora do cobertor, com um ferimento recente.

A garçonete beija-o docemente e diz, num sussurro:

- Tudo vai ficar bem. Obrigada por me fazer feliz, meu amor! Eu te amo, Tarcísio!

(desconheço a autoria)
Comentário de Leonice em 21 março 2009 às 17:16

PELOS CAMINHOS DO AMOR

E quais seriam?Não é um só?
Não, há vários e cada alma escolhe aquele que lhe é a fim, embora mais tarde todas se reúnam, na grande encruzilhada onde as rotas convergem e de onde contemplarão o horizonte luminoso, o oásis sonhado já quase ao alcance dos merecedores.
Todavia, antes é preciso caminhar na estrada escolhida, pleno de fé no coração, com as mãos ocupadas em trabalho digno e alegria no olhar, enfim, com pensamentos harmoniosos e projetos que visem o bem.
As estradas são inúmeras, há somente dificuldades na escolha.
Uma está repleta de crianças precisadas de cuidados, de alimentos e carinho.
Em outra, se vê velhinhos desarvorados como mariposas cegas, ante a luz forte, com passos trôpegos, aguardando uma mão amiga que os ampare.
E mais além, há uma que contém doentes do corpo, necessitados de que alguém lhes alcance um copo d`água ou de um remédio eficaz para todos os males:A ESPERANÇA.
E mais longe ainda, se encontra outra, onde gritos roucos se elevam em estranha sinfonia; são irmãos endividados que precisam de muito carinho, pois são imperfeitos mentalmente.
E assim, estradas e mais estradas paralelas estão aguardando o ser consciente de seus deveres para com o próximo, pois essa é a Lei de DEUS.
Sigam pelos caminhos do amor a Deus e aos semelhantes, que JESUS, o DIVINO PROTETOR dos aflitos, estará presente a cada passo.
Ele é a ESTRELA que a todos guiará ao refugio seguro, onde a felicidade não é a palavra vã.
Comentário de Leonice em 8 março 2009 às 23:26


O VALOR DE UM ABRAÇO

Aproxime-se mais. Tente sentir o que um abraço é capaz de fazer. Quando bem apertado, ele ampara tristezas, sustenta lágrimas, combate incertezas, põe a nostalgia de lado. É até capaz de amenizar o medo.
Se for cheio de ternura, ele guarda segredos e jura cumplicidade. Um abraço amigo de verdade divide alegrias e se apraz em comemorações.
Trata-se de pequenas orações de fé, de força e energia. Olhe para o lado: há sempre alguém que quer ser abraçado e não tem coragem de dizer.
Enlace-o. O pior que pode acontecer é ganhar de volta um sorriso de carinho ou, quem sabe, uma palavra sincera.
Você vai descobrir que ninguém esta sozinho, e que a vida pode ser um eterno céu de primavera.
Comentário de KATIA CEI em 29 janeiro 2009 às 17:41

Diálogo Sobre o Amor
A jovem discípula acercou-se do mestre e, ruborizando-se, pediu-lhe

que falasse do amor. O Sábio sorriu, e, desculpando-se, perguntou-lhe

o que ela considerava como sendo o amor.

Emocionando-se, a aprendiz explicou:Compreendo o amor, como

sendo a ânsia que experimentam as praias, que aguardam

os beijos sucessivos das ondas contínuas do mar.

Como a sofreguidão que tem a raiz de introduzir-se no solo,

a fim de sustentar a planta. Como a expectativa da rocha que

anela pela carícia do vento, embora se desgaste com isso.

Como o desejo descomedido da terra crestada, pela generosidade da chuva.

Como a flauta aguarda pelo sopro que lhe arranca das entranhas

a doce melodia. Como o barro esquecido pede ao oleiro que

lhe dê forma e beleza. Como a semente que necessita

despedaçar-se, para libertar a vida. Como a lâmpada apagada

que exige a energia para brilhar.

O amor é o sangue novo para o coração e o vinho bom para

aquecer a criatura, quando o frio lhe enregela a vida.

Assim vejo e sinto o amor. - E vós, como vedes o amor?,

perguntou a discípula ao mestre. O amor é o doce e compreensivo

companheiro da criatura em todos os dias da sua vida.

Quando se é jovem, o amor se apresenta, ardente e apaixonado,

como no teu caso. Mas evolui com o passar do tempo.

O amor é calmo e ameno. Não incendeia paixões; dulcifica-as.

Confundido com o desejo, permanece, quando este passa.

Nunca se irrita; porque espera. Considerado como instinto,

persiste, quando descoberto pela razão. Jamais perturba;

pois que felicita e produz harmonia.

O amor é claridade que permanece; é pão que nutre;

é vida que se irradia da vida. Mesmo quando não identificado,

encontra-se presente, porque, sem ele, a vida não existe ou

perderia o sentido de ser.

A jovem ardente empalideceu e, submissa à voz do amor,

pediu ao mestre:Ensina-me a amar. Eu agora corro em

busca do amor, sem dar-me conta que, em mim, ele se

deve irradiar, abrangente, em todas as direções.

Não te apresses no amor, e descobrirás que já começaste a amar,

quando sentires necessidade de doar e doar-te sem desejares

receber nada em retribuição.

MUITA PAZ.
NAMASTÊ
Comentário de Bel Piccoli em 25 janeiro 2009 às 19:56

Vamos sim...nos unirmos no caminho do BEM!
FAZ BEM FAZER O BEM!
Desejo uma semana abençoada para todos!!!!!!!!!!!!!
abraço carinhoso de luz:0)
Comentário de KATIA CEI em 19 janeiro 2009 às 1:22

Comentário de NINNA ANGEL♥ - MARCIA em 14 janeiro 2009 às 21:57


ALQUIMISTA DA VIDA

.
Enquanto adormecemos
os anjos tecem o amanhecer.
Recolhem pureza das crianças,
néctar das rosas
imensidão dos oceanos
e serenidade das magnólias...
Enfim, o que sobrou da alma humana
que não se perdeu em guerras
e vaidades... E nos presenteiam
a oportunidade de recomeçar.

.
(Sirlei L. Passolongo)
 

Membros (85)

 
 
 

Seja um apoiador de Anjo de Luz

Para mantermos os sites de Anjo de Luz, precisamos de ajuda financeira. Para nos apoiar é só clicar!
Ao fazer sua doação você expressa sua gratidão pelo serviço! Lembre-se que dar e receber são aspectos diferentes do fluxo de energia no Universo.

 
Visit Ave Luz

 

PUBLICIDADE




Badge

Carregando...

Co-criando A NOVA TERRA

«Que os Santos Seres, cujos discípulos aspiramos ser, nos mostrem a luz que
buscamos e nos dêem a poderosa ajuda
de sua Compaixão e Sabedoria. Existe
um AMOR que transcende a toda compreensão e que mora nos corações
daqueles que vivem no Eterno. Há um
Poder que remove todas as coisas. É Ele que vive e se move em quem o Eu é Uno.
Que esse AMOR esteja conosco e que esse
PODER nos eleve até chegar onde o
Iniciador Único é invocado, até ver o Fulgor de Sua Estrela.
Que o AMOR e a bênção dos Santos Seres
se difunda nos mundos.
PAZ e AMOR a todos os Seres»

A lente que olha para um mundo material vê uma realidade, enquanto a lente que olha através do coração vê uma cena totalmente diferente, ainda que elas estejam olhando para o mesmo mundo. A lente que vocês escolherem determinará como experienciarão a sua realidade.

Oração ao Criador

“Amado Criador, eu invoco a sua sagrada e divina luz para fluir em meu ser e através de todo o meu ser agora. Permita-me aceitar uma vibração mais elevada de sua energia, do que eu experienciei anteriormente; envolva-me com as suas verdadeiras qualidades do amor incondicional, da aceitação e do equilíbrio. Permita-me amar a minha alma e a mim mesmo incondicionalmente, aceitando a verdade que existe em meu interior e ao meu redor. Auxilie-me a alcançar a minha iluminação espiritual a partir de um espaço de paz e de equilíbrio, em todos os momentos, promovendo a clareza em meu coração, mente e realidade.
Encoraje-me através da minha conexão profunda e segura e da energia de fluxo eterno do amor incondicional, do equilíbrio e da aceitação, a amar, aceitar e valorizar  todos os aspectos do Criador a minha volta, enquanto aceito a minha verdadeira jornada e missão na Terra.
Eu peço com intenções puras e verdadeiras que o amor incondicional, a aceitação e o equilíbrio do Criador, vibrem com poder na vibração da energia e na freqüência da Terra, de modo que estas qualidades sagradas possam se tornar as realidades de todos.
Eu peço que todas as energias e hábitos desnecessários, e falsas crenças em meu interior e ao meu redor, assim como na Terra e ao redor dela e de toda a humanidade, sejam agora permitidos a se dissolverem, guiados pela vontade do Criador. Permita que um amor que seja um poderoso curador e conforto para todos, penetre na Terra, na civilização e em meu ser agora. Grato e que assim seja.”

© 2019   Criado por Fada San.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço