Anjo de Luz

Informação é Luz , ajude a propagar

ENTREVISTA COM LEE CARROLL E MONIKA MURANYI. Cúpula dos Guardiões da Terra, dezembro de 2021.


ENTREVISTA COM LEE CARROLL E MONIKA MURANYI

Conversas de Alberto Villoldo com Lee Carroll e Monika Muranyi

Cúpula dos Guardiões da Terra
dezembro de 2021

Parte 1

[Alberto] Como podemos nos tornar guardiões da Terra e não abusadores da terra? Como podemos mudar a história humana neste planeta? Você tem acesso a fontes superiores que muitos de nós não temos. Como você acha que podemos fazer parte desta grande transição que a humanidade vive hoje?

[Lee] É uma pergunta interessante, porque agora, eu acho, o momento é absolutamente perfeito para este tipo de discussão. A Terra realmente parou. Você poderia pensar em uma fábrica que produziu produtos e fez as coisas à sua maneira durante anos e anos. E ela parou a fábrica, e isso é algo que veio até de fontes superiores e foi realmente planejado.

Agora, as pessoas podem não acreditar, mas temos a oportunidade, quando a fábrica parar, de reexaminar o que estamos a produzir, por que o estamos a produzir e o que estamos realmente a fazer. E isto dá, penso eu, uma oportunidade especialmente para falar.

Estamos falando isso porque de todos os sistemas neste planeta que podemos enumerar, creio que há sete, ou oito, que são sistemas religiosos, que são sistemas espirituais e nenhum deles incluem a Terra como um papel fundamental em tudo que fazemos. Nenhum deles.

É uma parceira em tudo o que fazemos. E, no entanto, eu diria que no mundo religioso ocidental há tão poucos que acreditam nisso. É hora de reexaminar as energias que nos rodeiam, quer vocês chamem isso de espírito ou de Deus, ou os sistemas que acreditam existir, e começar a incluir o planeta. Essa é a primeira coisa que eu diria.

É uma consciência do que é o planeta e se torna um companheiro. E se você começar a ver isso e a entender, isso muda totalmente a sua perspectiva sobre o que você pode fazer pelo planeta e por si mesmo.

O que faz um guardião da Terra? Além de ter consciência do planeta, de tudo o que o rodeia, e da sua energia, que te apoia, faz parte da nossa tranquilidade, faz parte da nossa cura. Gosto de contar às pessoas… E se puder contar por um momento…

Sou um canalizador. E já estivemos ao redor do mundo muitas vezes. Mas nossos lugares favoritos que vamos na América do Sul, há muitos lugares, mas lá você encontrará muitos indígenas. E quando os encontramos, tentamos entrevistá-los, se quiserem falar conosco. E isso vai até o centro da Austrália, em Uluru, até o Chile, e onde estivemos, é claro, no Peru e em todos esses lugares.

Tentamos nos encontrar com os xamãs. E nós os entrevistamos e dissemos: “Qual é a coisa mais importante? O que precisamos saber? Quais são as suas profecias?” E essas pessoas, que nem se conhecem, tendem a ter os mesmos tipos de cerimônias, os mesmos tipos de profecias e as mesmas mensagens. E a mensagem sempre foi: nossos ancestrais e toda a sabedoria do planeta estão na terra da Terra. Quero dizer, pense sobre isso.

Se você quer saber, por que este planeta continua repetindo e repetindo e repetindo guerras? Porque é que as civilizações daqui não têm esperança, por que é que pensam que a história se repetirá sempre? E a resposta, na minha opinião, é porque você perdeu o que os ancestrais tinham, e é aí que está a sabedoria para impedir isso.

E a sabedoria para parar isto está no planeta. Está nas terras da Terra e tem muito mais, mas fiquei muito impressionado com o que os indígenas tinham para nos contar. Existem alguns lugares que visitamos que são específicos para nós, que conhecemos muito bem, o Peru é um deles. Passamos um tempo com Nicolás Pacar, que era um xamã da tribo Q’ero, ele nos mostrou suas cerimônias e nos mostrou o que eles fazem.

[Alberto] “Em todas as tradições indígenas a Mãe, a Grande Mãe, está no centro de tudo, e a Grande Mãe trabalha em colaboração. Você sabe, a evolução é um processo colaborativo e simbiótico. Não é um processo parasitário como o que nós, humanos, tivemos com a Terra”

[Monica] E adorei, Lee, que você tenha iniciado a conversa dizendo: “Quantas religiões ou sistemas de crenças incluem o planeta como parte de seu sistema espiritual?” Adorei que você tenha mencionado isso porque minha formação começou trabalhando como guarda florestal nos parques nacionais da Austrália e um pouco na Nova Zelândia por mais de 15 anos.

Eu estava absolutamente no céu, entrando na natureza todos os dias, estando tão conectado ao planeta e ainda assim não havia nenhum componente espiritual nisso. Eu era uma verdadeira ambientalista. E eu estava olhando para todos esses problemas que temos com o meio ambiente e fiquei tão irritada quando vi… pessoas fazendo coisas para danificar o meio ambiente e poluir o meio ambiente, e fiquei tão chateada com o número de espécies que foram extintas por causa da ação humana.

E então, para mim, tinha essa consciência ambiental, mas não tinha esse componente espiritual. Então eu acho que também faz parte de ser um Guardião da Terra, é integrar a energia da Terra e reconhecer que existe uma conexão com o espírito, com o Criador, existe uma energia vital… além dos animais e das plantas que você vê.

Há uma ligação profunda e quando comecei a observar como os indígenas australianos, o povo aborígine, existem no meu país há mais de 40.000 anos, fiquei sem palavras, que havia acontecido 200 anos de colonização europeia e quão destrutiva foi a sua força ao ambiente ao seu redor e ainda assim tínhamos uma cultura que ainda está presente hoje, que foi capaz de viver o momento durante 40.000 anos.

Quanta harmonia devemos ter com o planeta e com os outros para que exista a longevidade de uma cultura ou sociedade?

E uma das coisas que adoro quando se fala da cultura aborígine é que eles não separam… o espírito de nada. Então se você perguntar qual é a religião deles ou qual é a espiritualidade deles, eles não conseguem definir, porque tudo está conectado, tudo é espiritual. E quando você pergunta quem é o dono desse pedaço de terra, eles não sabem dizer quem é, porque é um recurso de todos.

É um conceito totalmente diferente do que temos e é por isso que adoro como essa conversa começa com sistemas espirituais, indígenas…

[Alberto] Com certeza. Isto é muito importante, porque no Ocidente aprendemos que o espírito está no céu. Você sabe, eu me lembro quando era pequeno, indo para a escola dominical e aprendendo a oração do Pai Nosso, que é o Pai Nosso que não está aqui, nem por aqui, está em outro lugar.

E nas culturas indígenas o espírito está em toda parte. E infunde tudo, tudo faz parte do espírito, é inseparável e não há separação como temos no Ocidente entre o corpo e a mente, ou o corpo e o espírito. Não há separação, e sinto fortemente que parte da nossa cura no Ocidente tem a ver com a reunião destas partes que foram separadas umas das outras.

[Lee] Exatamente o que ensinamos. E é exatamente isso que eu acho que é o tema.

Parte 2

[Lee] Eu sou engenheiro. E me tornei o que você chamaria de espiritualista há 32 anos. E demorei muito para reescrever minha história ou minha narrativa para incluir o planeta. Quando fiz isso, algo aconteceu, e aconteceu há alguns anos, quando eu estava na Tasmânia, em uma floresta tropical.

Eu estava sozinho lá, a Mônica tinha saído para fazer outra coisa e eu estava sozinho nessa selva. E fiquei impressionado com uma ideia e então vi algo. E a ideia era esta: que cada respiração que eu respirasse viesse do musgo, do líquen e das árvores que me rodeavam. Na verdade, havia tanto oxigênio no ar que era quase eufórico.

E então, eu exalava o mesmo alimento que as árvores precisavam. E que estávamos numa unidade, estávamos unidos numa coerência. Elas precisam de nós, nós precisamos delas. E foi só… de repente, percebi que havia um amor tremendo e você pode chamá-lo do que quiser. O planeta nos ama. Ele precisa de nós. E o planeta nos conhece.

E agora há alguma ciência que diz que o planeta sente a nossa consciência, que o planeta realmente entende quem somos. E não é devolvido. E se pudéssemos retribuir da mesma forma que os povos indígenas fizeram, e aprender a coerência disso, de que não há diferença.

Em primeiro lugar, na minha opinião, existe a Mãe Terra aqui por uma razão, existe um campo feminino. Um campo de nascimento. Um campo ao qual pertencemos, e que talvez tenhamos nascido do pó da Terra. E voltamos para a terra da Terra.

E então, quando tive aquela epifania e realmente senti que estávamos respirando juntos, algo aconteceu, e então vi os elementais. Essa foi a única vez, Alberto, que vi alguma coisa. Não vejo coisas, mas as vi ali. E eles são tão interessantes.

Eles dançam. Eles não deixam você olhar direto para eles (risos). Eles são periféricos. E quando você vira a cabeça eles se movem para outro lugar. Mas eles estão lá. E foi um sinal, um símbolo. Acredito que existe uma multidimensionalidade neste planeta, assim como existe na nossa estrutura celular.

Você sabe, os biólogos quânticos mostraram que temos uma estrutura celular, somos multidimensionais, o planeta também, e eu tenho que ver a dança da vida ao meu redor, só para me dar uma piscadela que diz: “bem-vindo ao lar”.

E nas culturas indígenas o espírito está em toda parte. E infunde tudo, tudo faz parte do espírito, é inseparável e não há separação como temos no Ocidente entre o corpo e a mente, ou o corpo e o espírito. Não há separação, e sinto fortemente que parte da nossa cura no Ocidente tem a ver com a reunião destas partes que foram separadas umas das outras.

[Lee] Exatamente o que ensinamos. E é exatamente isso que eu acho que é o tema.

[Alberto] Que lindo presente você ganhou. É um prazer poder ver esse mundo invisível, e os xamãs com quem trabalhei dizem que não existe mundo sobrenatural, apenas o mundo natural existe. E há uma dimensão visível nisso e uma dimensão invisível. Mas tudo é natural, tudo faz parte da natureza que entra no reino invisível. E lhe foi oferecida uma visão, que lindo presente.

[Lee] E você está absolutamente certo. Nós temos isso, que chamam de véu, no mundo ocidental. E isso nos separa do sobrenatural, o sobrenatural não existe. Porque tudo é, como você diz, muito natural. Depende apenas de nós. Essa é uma das coisas que digo que aconteceu comigo…

As pessoas dizem: “O que aconteceu? Você era um bom cristão e, de repente, tornou-se cada vez mais estranho e deixou o rebanho.”

E eu olho para eles e digo: “Aprendi que todas as coisas que eram lindas sobre Deus e o espírito ainda estão lá. Eu não apaguei isso. Deus só ficou maior.” Que todas as coisas que aprendi sobre amor, consistência, e todas essas coisas como viver uma vida mais calma, se tornaram maiores.

E é assim que me sinto. E parte da grandeza que aconteceu foi a minha conexão com o planeta. Levei muitos, muitos anos e uma compreensão. Estar com os indígenas é muito, muito interessante. Eles não são evangelistas. Um indígena vai te acompanhar em uma cerimônia e explicar com delicadeza o que está acontecendo e dizem para você: Entendeu? Não entendeu? Quer participar? Não quer participar? E eles não vão bater em você e dizer para você entender o que estão fazendo. Tem que ser algo natural, um “aha”. Uma consciência, um despertar: “Oh, meu Deus!” (risos).

[Alberto] Baseia-se na experiência e não na crença, que é grande parte da base da nossa mitologia ocidental, seja na religião ou mesmo na ciência, baseia-se tanto na crença e não na experiência direta.

[Lee] Correto. As cerimônias pelas quais passamos são todas metafóricas. Elas são… A gente está percebendo isso também nos indígenas. Se você não entende por que eles fazem a cerimônia, basta passar por elas. Cada uma delas é um efeito para levar uma mente linear da nossa experiência para uma situação multidimensional onde temos uma experiência “aha”. Sobre nossa mãe, ou nosso pai, ou sobre o planeta. Ou sobre o medo, por exemplo.

Passamos por algumas coisas lá. E tudo se trata de resolver um quebra-cabeça, e o quebra-cabeça somos nós. Em nossas mentes, as cerimônias nos conduzem através de algo para que tenhamos uma maior consciência do que isso significa. Então não é só dançar, não é só fazer certas coisas, é uma ferramenta, é um catalisador, para alguém despertar para algo maior. É assim que vejo a cerimônia.

[Mónica] E adoro que o que se faz é reavivar. Dentro de nós, temos uma capacidade inata de nos conectarmos com a Terra de uma forma profunda. Existem certos indivíduos que têm isso. São todos os humanos que chegam ao planeta que têm a capacidade de se conectar de forma profunda com a Terra. E muitas vezes essas cerimônias serão um catalisador para aprofundar uma conexão já inata que eles tem e compartilham.

Eu adoraria compartilhar com nosso público duas maneiras muito simples pelas quais experimentei uma conexão mais profunda com a Terra. Uma delas vem de um povo indígena da Austrália, um ancião aborígine que ouvi falar sobre essa forma de conexão com o planeta, e foi muito simples, e eu experimentei por mim mesma.

Então, fica aqui o convite para ouvir (ler) o que é isso e quem sabe experimentar no seu espaço e no seu tempo. Mas essencialmente é encontrar um lugar na Terra e conectar-se com o seu umbigo, com a área que tinha o cordão umbilical.

Encontre um lugar onde você possa deitar no chão e se conectar com a Terra, e visualizar… que a Mãe Terra é como a placenta que você tinha no útero, e você visualiza a conexão de uma forma muito profunda com esse cordão umbilical acima, através e dentro do seu umbigo.

E só isso, só quando você sai e experimenta isso, é algo que você pode fazer individualmente e em particular, e ninguém sabe o que você está fazendo. Você poderia simplesmente estar deitado no chão tomando banho de sol sem o propósito de fazer as pessoas olharem para você. Mas é uma forma muito poderosa de se conectar com a Terra.

Então, eu apenas falo isso para vocês, para que possam começar a experimentar de suas próprias maneiras únicas, para que possam começar a criar uma maneira de sentir esse relacionamento profundo. Uma coisa é ouvir sobre isso, mas outra coisa é sentir sua própria experiência pessoal, única e bela, porque Gaia está pronta para ouvi-lo.

[Alberto] Isso é lindo. Muito obrigado Mônica, e enquanto você conversava tive a imagem de uma criança voltando para a mãe. E a mãe fica tão feliz que o filho voltou, retribuindo essa gratidão. Que bela prática. Obrigado por compartilhar.

Parte 3

[Monica] Existe alguma prática que você faz que pode ajudar?

[Alberto] Sabe… para mim… eu abençoava minha comida. Agora, acho que muitos, senão a maioria de nós que estamos assistindo (lendo) isso, abençoamos nossa comida. Então, outro dia comecei a pensar, talvez devesse pedir à minha comida que me abençoasse (Lee ri).

Então eu simplesmente… abro meu coração e recebo essas bênçãos da Terra. E esse combustível é uma espécie de sustento e o alimento que estou recebendo, alimento espiritual no centro do meu coração.

E aí, quando como, não penso mais em comida. Penso nessas diferentes plantas lindas que a Mãe que me dá e que seu corpo me oferece. Literalmente, este é o seu corpo que ela está nos dando, e muita gratidão. Assim, que sinto. Estou muito, muito feliz com a minha nova prática de rezar pelos dons que a Mãe me dá.

[Lee] E agora conto para vocês uma das cerimônias mais profundas com o xamã Q’ero no Peru que fizemos. Uma que não vou esquecer é que quando estávamos no campo, estávamos parados na encosta do morro, e o xamã se abaixou e pegou um pouquinho de terra, um pouquinho de terra, e colocou nos lábios. Então ele ficou em silêncio por um momento.

E então dissemos: “O que foi isso? Você está provando a terra. Por que isso?”.

E ele disse: “Não, não, não. Não estou provando a terra. Estou em contato com meus ancestrais.”

E então, ele passou a nos dar um verdadeiro ensinamento e disse que toda a sabedoria que foi produzida no planeta está na terra. E portanto, é um planeta multidimensional. Se você acredita nisso, então você pode pegar a terra e colocá-la em seus lábios e então as coisas lhe ocorrerão, como nos desejos e nos despertares, se você estiver em constante contato com o planeta.

Isso era novo para mim e realmente me fez pensar sobre isso. Eu acredito nisso. Eu realmente acredito nisso. Até nas escrituras, nas escrituras cristãs. É, você sabe, do pó ao pó. É o que é. É onde estamos, de uma forma multidimensional. E então, de repente, me ocorreu que é aqui, de fato, onde… a peça que faltava é que precisamos de sabedoria para superar este próximo tempo.

Sabedoria que nunca tivemos antes e não queremos repetir a história. Uma das coisas que as minhas fontes têm dito repetidamente é: não espere que o que aconteceu no passado molde o que vai acontecer no futuro. Porque se você realmente espera isso, é isso que vai acontecer. Então, em você, a energia dos seus pensamentos é profunda. Vai para o campo, vai para o planeta.

Você pode criar novamente o que aconteceu no passado, se quiser, mas também pode mudá-lo completamente. E parte da mudança que isso representará é a conexão com o planeta. Agora, se você mora na cidade de Nova York e ouve isso, você diz: “Bem, eu moro no 83º andar (risos). Como vou me conectar ao planeta?”

E há tantas maneiras. Você não precisa necessariamente ir para a terra. O planeta é inteligente. E há terra ao seu redor. Você pode ir ao parque se quiser. Ou você pode sair da cidade e fazer isso. Mas é um convite para se associar, a uma parceira que acredito estar com a mão estendida. E sempre esteve. E dizer: “Você vai reconhecer o resto da história ou não? Que sou parte de você e sempre fui parte de você.”

E este é o futuro do planeta: começar a se reconectar e ouvir o que os povos indígenas dizem. Muita gente entende mal, Alberto. Eles pensam: “Bem, agora tenho que me tornar índio”, e eu digo: “Não!” Isto é moderno. Você pode ser tão moderno quanto quiser, pode se vestir como quiser. Faça a sua própria cerimônia se precisar, para se conectar, porque somos todos indivíduos, somos todos únicos, e todos podemos fazer isso sem ir a uma cerimônia indígena.

Você pode aprender muito com eles sobre o que se trata, o que essas coisas significam e como, talvez, ter uma conexão melhor com o planeta. Eles descobriram isso. E os povos indígenas têm feito isso há centenas de anos.

E novamente, voltarei a uma declaração que fiz anteriormente. Está em todo o planeta, eles não tinham Internet, não tinham telefones nem telégrafos e, no entanto, em todo o planeta, ouço a mesma coisa deles. Eu ouço as mesmas histórias deles. É quase como se eles estivessem conectados entre si pelo planeta.

E receberam a intuição, a sabedoria de como viver, de como ter paz, de como seguir em frente, de como tomar decisões, todos juntos, como se estivessem todos conectados a uma só Internet do planeta. Não sei quantas pessoas tiveram essa visão, ou poderiam dizer que estiveram ao redor do planeta e conversaram com tantos povos indígenas e todos tinham o mesmo plano. E muitos têm as mesmas profecias.

[Alberto] E agora temos a ciência, que nos dá um modelo, uma explicação para isso, que diz: “Ei, todos nós fazemos parte desse campo quântico. Cada pensamento, cada ação impacta o Campo, impacta o passado e o futuro.”

Portanto, temos uma explicação para isso, mas ainda não sabemos como fazê-lo. Podemos explicar, mas não podemos fazê-lo. E os indígenas podem fazer isso, mas não conseguem explicar.

[Lee] Sim, isso é muito bom (risos). Bem, por causa dessa ciência, sabemos o que é coerência. Conhecemos a ciência de medir a coerência. E isso é de humano para humano. Esse é o caminho. Portanto, precisamos ser coerentes com o planeta. Temos que ter uma conexão onde possamos sentir isso. E as pessoas dizem: “Bem, como faço isso?” Comece simples.

Em primeiro lugar, você reconhece isso. Em segundo lugar, o meu desejo… A minha intuição diz: “Quero me conectar com o planeta”. Se você simplesmente fechar os olhos e começar a ter esse tipo de pensamento, é como exercitar um músculo. Logo tudo fica um pouco mais claro, mais intuitivo, e então você começa a receber energia. Você começa a perceber que há uma coerência aí, meu Deus.

Você sabe, um “abraçador de árvores” sabe exatamente do que estou falando (risos). E eles podem não ter espiritualidade ou um sistema espiritual, mas sabem que quando estão na natureza é quando se sentem melhor.

[Monica] Adoro a analogia do abraçador de árvore. Kryon, que Lee canaliza, deu uma bela mensagem quando estivemos na Irlanda. Eles têm o que é chamado de Freixo, e supostamente é uma árvore de sabedoria e tem muita sabedoria. Então, todos nós, como grupo, nos sentimos atraídos por essa árvore, todos nós a abraçamos e amamos essa árvore.

E foi aí que Kryon deu algumas lindas mensagens que falavam sobre a árvore e como ela não grita: “Ei, você, aí, venha até mim”. Ela não balança seus galhos e tenta atrair sua atenção. Simplesmente fica ali com paz, equilíbrio, sabedoria, e o convite é vir, sentir, conectar-se e sentir, ou não.

É o livre arbítrio que o convida a abraçar essa árvore e a se conectar com sua sabedoria, paz, equilíbrio e tranquilidade. E a analogia que Kryon deu é que temos a oportunidade, como humanos, de sermos como aquela árvore. Enquanto caminhamos pelo supermercado, enquanto nos perguntamos em qualquer lugar, se irradiamos paz, equilíbrio, sabedoria, os outros sentem e percebem, sem que você precise dizer uma palavra.

[Alberto] Obrigado, Mônica. E obrigado por compartilhar este lindo ensinamento de Kryon também. Deixe-me perguntar a vocês dois, há algum ensinamento de Kryon que vocês possam compartilhar conosco, que possa nos ajudar a navegar por essas águas turbulentas pelas quais estamos passando, e nos fazer… e nos oferecer o caminho para sermos mais sustentáveis no futuro com a Terra?

[Lee] Há uma mensagem que está no mundo ocidental há dois anos. Existe uma agenda e é uma agenda da ganância (a agenda 2030), neste momento no planeta, então vocês podem ver as notícias. Agora, isso pode não ser o que você esperava, mas a questão é: Se você gosta de assistir notícias e tudo mais, existe uma agenda para te assustar. Pare de assistir. Você não conseguirá se conectar com ninguém nem com nada se sentir medo todos os dias ao ligar a televisão.

Tem algumas pessoas que estão coladas à televisão e eu quero dizer às pessoas, estou neste ramo há muito tempo, antes de ser radialista, que televisão, notícias, entretenimento, não é jornalismo. Eles vão lhe dar as piores notícias possíveis e cercá-las de belas imagens e músicas. E isso vai te assustar até a morte. E a agenda não vai lhe dar boas notícias.

Onde estão as boas notícias? Existem muitas neste planeta. Você não está recebendo nenhuma delas. Desligue as noticias, essa é a primeira coisa. Esteja em paz consigo mesmo. Então, se você puder desligá-las, pegue suas notícias na Internet e leia-as. As pessoas que escrevem essas coisas são jornalistas, não animadoras.

E assim, você terá uma ideia melhor do que está acontecendo se precisar saber, e nós precisamos. Então, é mais provável que você caia no coração e tenha paz com o que está acontecendo no planeta, em vez de se preocupar com o que está por vir.

E quando você começa a fazer isso, você limpa o tabuleiro, eu diria, para algo maior. É aí que você começa a dizer: é possível que eu tenha perdido alguma coisa? E é aí que você diz, ou eu diria, e Kryon diria: “Sim. O que você perdeu é o espírito. É maior do que você acredita”

E não está no céu, está ao seu redor, e você é um espírito. Você faz parte da Fonte criativa e também o planeta, todos os animais, todas as árvores, a terra da Terra. Você tem um parceiro que o apoia e pode ter paz com tudo isso.

Mas essa agenda para você assista ao noticiário, é sobre anúncios e tudo mais, e vai te atingir e colocar um véu… um véu sobre a sua percepção de tudo que está aí. Isso te deixa com raiva, te faz discutir, podem te dar opiniões programadas.

Então, somos literalmente programados pelo que vemos e pelas coisas ao nosso redor. Então desconecte, desconecte. E quando você consegue desconectar, é quando todas essas outras coisas podem começar a tomar conta de você, que são tão lindas. E há algo muito, muito maior do que qualquer coisa que lhe foi dito.

[Alberto] Se todo o seu tempo for usado assistindo televisão, que é basicamente propaganda, você não terá tempo para comunhão com a Terra e com o espírito. Então, obrigado por essa orientação e obrigado por seus belos ensinamentos e pelo trabalho que vocês fazem pela humanidade e pelo planeta. A alegria é sagrada. Encontre a sua alegria e pratique manter a alegria, porque a alegria é sagrada.

Formatação e tradução – DE CORAÇÃO A CORAÇÃO
http://www.decoracaoacoracao.blog.br/
http://stelalecocq.blogspot.com
https://lecocq.wordpress.com
Instagram – @blogdecoracaoacoracao
Informações e Agendamentos para Mesa Quântica Estelar, Mesa Pet, Mesa Quântica 2.0, Sistema Regenerador Ashtariano, Sistema Arcturiano de Cura Multidimensional, STC Shanti Tecnologia Cósmica (Apometria) – lecocqmuller@gmail.com
Livro “Mensagens dos Mestres – De Coração a Coração” – https://mensagensdosmestres.blogspot.com/
Respeite todos os créditos ao compartilhar

LUZ!
STELA

***

Gratidão.

Amor e Luz!

Exibições: 95

Comentar

Você precisa ser um membro de Anjo de Luz para adicionar comentários!

Entrar em Anjo de Luz

Comentário de João em 7 dezembro 2023 às 18:47

Grato :)

Comentário de Maria de Lourdes Lima Frutuoso em 6 dezembro 2023 às 20:06
Sou Grata

Seja um apoiador de Anjo de Luz

Para mantermos os sites de Anjo de Luz, precisamos de ajuda financeira. Para nos apoiar é só clicar!
Ao fazer sua doação você expressa sua gratidão pelo serviço!

CHEQUES DA ABUNDÂNCIA

NA LUA NOVA.

CLIQUE AQUI

 
Visit Ave Luz

 

PUBLICIDADE




Badge

Carregando...

Co-criando A NOVA TERRA

«Que os Santos Seres, cujos discípulos aspiramos ser, nos mostrem a luz que
buscamos e nos dêem a poderosa ajuda
de sua Compaixão e Sabedoria. Existe
um AMOR que transcende a toda compreensão e que mora nos corações
daqueles que vivem no Eterno. Há um
Poder que remove todas as coisas. É Ele que vive e se move em quem o Eu é Uno.
Que esse AMOR esteja conosco e que esse
PODER nos eleve até chegar onde o
Iniciador Único é invocado, até ver o Fulgor de Sua Estrela.
Que o AMOR e a bênção dos Santos Seres
se difunda nos mundos.
PAZ e AMOR a todos os Seres»

A lente que olha para um mundo material vê uma realidade, enquanto a lente que olha através do coração vê uma cena totalmente diferente, ainda que elas estejam olhando para o mesmo mundo. A lente que vocês escolherem determinará como experienciarão a sua realidade.

Oração ao Criador

“Amado Criador, eu invoco a sua sagrada e divina luz para fluir em meu ser e através de todo o meu ser agora. Permita-me aceitar uma vibração mais elevada de sua energia, do que eu experienciei anteriormente; envolva-me com as suas verdadeiras qualidades do amor incondicional, da aceitação e do equilíbrio. Permita-me amar a minha alma e a mim mesmo incondicionalmente, aceitando a verdade que existe em meu interior e ao meu redor. Auxilie-me a alcançar a minha iluminação espiritual a partir de um espaço de paz e de equilíbrio, em todos os momentos, promovendo a clareza em meu coração, mente e realidade.
Encoraje-me através da minha conexão profunda e segura e da energia de fluxo eterno do amor incondicional, do equilíbrio e da aceitação, a amar, aceitar e valorizar  todos os aspectos do Criador a minha volta, enquanto aceito a minha verdadeira jornada e missão na Terra.
Eu peço com intenções puras e verdadeiras que o amor incondicional, a aceitação e o equilíbrio do Criador, vibrem com poder na vibração da energia e na freqüência da Terra, de modo que estas qualidades sagradas possam se tornar as realidades de todos.
Eu peço que todas as energias e hábitos desnecessários, e falsas crenças em meu interior e ao meu redor, assim como na Terra e ao redor dela e de toda a humanidade, sejam agora permitidos a se dissolverem, guiados pela vontade do Criador. Permita que um amor que seja um poderoso curador e conforto para todos, penetre na Terra, na civilização e em meu ser agora. Grato e que assim seja.”

© 2024   Criado por Fada San.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço