Anjo de Luz

Informação é Luz , ajude a propagar

Júpiter muito brilhante no céu em Setembro

Júpiter muito brilhante no céu em Setembro

Você já reparou que há uma luz muito brilhante no céu ,na direção leste, abaixo da Lua (além de
Vênus que desaparece após o por do sol)? É Júpiter!

O ano de 2010, e mais especificamente este mês de setembro, é especial na relação entre a
Terra e o rei dos planetas do Sistema Solar.

(Se andou olhando para oeste, você pode ter visto dois pontos
brilhantes, Vênus, muito intenso, e Marte, mais fraquinho… Além de
Spica, a estrela Alfa da constelação de Virgem. Dá para distinguir
uma estrela de um planeta notando que as estrelas piscam e os
planetas, não.)

Na próxima terça-feira, 21, Júpiter atinge a chamada oposição — um
arranjo no céu que coloca a Terra bem entre o planeta e o Sol. É a
melhor configuração que há para observá-lo, já que teremos o Sol às
nossas “costas” e Júpiter diretamente sob o grande holofote solar.



Neste ano, a oposição acontece com Júpiter muito próximo (em termos
cósmicos, claro) de nós: cerca de 194 milhões de quilômetros mais
perto do que a distância média que nos separa do grandalhão — e
lembre-se de que menos do que isso, 150 milhões de quilômetros, é a
distância entre a Terra e o Sol.

Mesmo assim, ainda estaremos bem distantes dele — separados por 583
milhões de quilômetros.

De qualquer forma, a última vez em que uma oposição ocorreu assim
tão perto da Terra foi em 1963! A próxima oportunidade será em
2022.


Encontrar Júpiter no céu nos próximos dias não será difícil. Basta
olhar para leste — a direção oposta ao pôr-do-sol — por volta das
18h30. O planeta aparece como um ponto de luz intenso, estável, bem
mais brilhante que as estrelas, perdendo em luminosidade, nessa
direção, apenas para a Lua, que fica cheia no dia 23.

Galileu conseguiu descobrir quatro das luas de Júpiter com um
telescópio simples, há 400 anos. Quem tiver um instrumento como uma
luneta ou um bom binóculo pode aproveitar a oposição e tentar
encontrá-las: são Io, Europa, Ganimede e Calisto.

Júpiter, só para lembrar, é o maior planeta do Sistema Solar. Na
verdade, um astrônomo alienígena estaria cometendo apenas um pequeno
erro de poucas casas decimais se supusesse que o Sistema Solar é
formado apenas por dois corpos, o Sol e Júpiter: a massa joviana é
2,5 vezes maior que a de todos os demais planetas somados, incluindo
os demais “gigantes” — Saturno, Urano e Netuno.

Júpiter dá uma volta completa em torno do próprio eixo (um “dia”) em
menos de dez horas, e realiza uma órbita (um “ano”) a cada 12 anos,
aproximadamente. Seu raio é 11 vezes maior que o da Terra e sua
gravidade, cerca de duas vezes maior.

Os astrônomos amadores têm relatado
recentemente um surpreendente número de
bolas de fogo na atmosfera de
Júpiter.Aparentemente, muitos pequenos asteróides ou fragmentos de
um cometa batem no planeta gigante e explodindo entre as nuvens.

Finalmente, não devemos esquecer as luas de Júpiter, porque eles também estão
tendo um encontro íntimo com a Terra.

Estes são mundos do tamanho do planeta com vulcões ativos (Io),
possíveis oceanos subterrâneos (Europa), os vastos campos de
crateras (Calisto), e misteriosas ranhuras global (Ganimedes).

Quando Galileu descobriu as luas de 400 anos atrás, eles não eram mais
alfinetadas de luz em seu vidro de espião primitivo.
Modernos
telescópios amadores revelam o real dos discos planetários com
marcações coloridas.

(Foto:
Babak A. Tafreshi
www.twanight.org/tafreshi)

Sobre Júpiter

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Distância do Sol: 778,412,020 km

Raio: 71,492 km

Volume: 1,425,500,000,000,000 km3

Massa: 1,898,700,000,000,000,000,000, 000,000 kg

Júpiter é o 4º objeto mais brilhante do céu (depois do Sol, da Lua e de
Vénus; por vezes Marte é mais brilhante). É conhecido desde tempos pré-históricos, mas como uma "estrela errante". Mas em 1610, quando Galileu aponta pela primeira vez um telescópio ao céu, observa as 4 grandes luas de Júpiter: Io, Europa, Ganimedes e Calisto (agora conhecidas como as luas Galileanas) e registra os seus movimentos para a frente e para trás do planeta. Foi a primeira descoberta de um centro de movimento aparentemente não centrado na Terra e um grande passo a favor da teoria heliocêntrica do movimento dos planetas de Copérnico (em conjunto com outras evidências observadas no seu telescópio: as fases de Vénus e as montanhas na Lua). O sincero apoio da teoria Copernicana dado por Galileu pô-lo em muitos apuros com a Inquisição. Hoje em dia qualquer pessoa pode repetir as observações de Galileu (e sem medo de qualquer espécie de retribuição) usando simples binóculos ou um pequeno
telescópio.

Foi Marius Simon que deu o nome aos primeiros satélites a orbitar outro planeta. São chamados de satélites (ou luas) galileanos.
A partir de então o planeta foi observado exaustivamente e revelaram o seguinte: as intercalações de faixas escuras e claras por Zuchi em 1630; manchas claras por
Robert Hooke em 1664; a Grande Mancha Vermelha por Giovanni D. Cassini em 1665, que também obteve o período de rotação e mediu o achatamento polar de Júpiter. O astrônomo Rupert Wildt, durante os anos 1940 e 1950, elaborou um quadro geral de Júpiter que mais tarde foi comprovado pelas sondas espaciais. Em suma, sabia-se muitas coisas do enorme planeta, porém foi com a
exploração de naves não tripuladas que o conhecimento de Júpiter aumentou grandemente.

É um dos planetas mais pesquisados do Sistema Solar, sendo visitada por 7 sondas espaciais – uma delas construída especialmente para o sistema joviano – além é claro do uso do telescópio espacial Hubble. A primeira foi a Pioneer 10 alcançou o ponto de máxima aproximação em 01 de dezembro de 1973 a 132.250 quilômetros de distância.
Em 02 de dezembro de 1974 foi a fez da sonda gêmea Pioneer 11 que passou apenas a 34.000 quilômetros do planeta, e foi bombardeada por uma grande quantidade de partículas energéticas. As informações colhidas ajudaram na missão seguinte, que começou em 1979 com as
Voyager 1 e Voyager 2.
Revelaram muito detalhes da complexa atmosfera de Júpiter, descobriram os anéis e as particularidades de algumas luas, como os vulcões em Io; deveras suas
informações levaram anos para serem analisadas. A sonda Ulysses, também fez uma breve visita em 08 de fevereiro de 1992, quando se posicionava para ficar em órbita polar em torno do Sol.

Quase quatro séculos depois, outro Galileo observou Júpiter. A sonda homenageando o astrônomo italiano foi projetada para fazer várias visitas ao planeta Júpiter e seus satélites, especialmente os maiores. Durante os 14 anos
da missão espacial, a sonda observou a atmosfera e o campo magnético de Júpiter, bem como as luas do planeta terminando suas atividades sendo colocada em

rota de colisão com o planeta em setembro de 2003.

Algumas
teorias da conspiração dizem que a sonda
espacial Galileo estava a caminho de Júpiter
transportando uma carga de plutônio. A
denotação dessa carga poderia fazer com que
Júpiter, que é um planeta gasoso, acendesse,
transformando-se em uma pequena estrela,
coisa dos Illuminati que planejavam criar um
grande sinal nos céus

Sem dúvida o que mais chama atenção em Júpiter são suas dimensões. Por
exemplo, se tomarmos como medidas as terrestres, temos: diâmetro mais de 11 vezes, massa 317,80 mais "pesado" e ocupa um volume 1.401 vezes maior! No entanto sua densidade é baixa, sendo de apenas 1,33 g/cm³. Na realidade este é o primeiro dos chamados planetas gigantes ou gasosos, formados basicamente de hidrogênio e hélio. O que chamamos de superfície nos planetas rochosos, nesses planetas estamos se referindo as camadas superiores da atmosfera.

Não há certeza se o núcleo de Júpiter (ou qualquer outro planeta gasoso) é rochoso. No entanto, parece que o centro do planeta é quente (talvez 30.000° C) visto que Júpiter irradia para o espaço 2,5 vezes mais energia do que
recebe do Sol. Devido à pressão de milhões de atmosferas os átomos de hidrogênio devem está comprimidos em estado líquido. O hidrogênio em tais condições adversas adquire propriedades metálicas, gerando corrente elétrica e
conseqüentemente um forte campo magnético.


Isto explicaria porque o campo magnético de Júpiter é intenso (cerca de
14 vezes o da Terra), sendo que produzem ondas de rádio tão potentes, que no Sistema Solar é apenas superada pelo próprio Sol. O eixo desse campo está inclinado 11 graus em relação ao eixo de rotação, afastado 10.000 km
do centro. O interessante é que como os pólos estão invertidos em Júpiter, se levássemos uma bússola para o planeta a agulha apontaria para o sul. A magnetosfera é gigantesca: mais de 7 milhões de quilômetros em direção
ao Sol e até 700 milhões de quilômetros na direção oposta, ou seja, além da órbita do planeta Saturno!

De 16 a 22 de julho de 1994 ocorreu uma espetacular chuva de meteoros em Júpiter quando os fragmentos do cometa Schoemaker-Levy 9 (ou SL9) atingiu o planeta. Estima-se que o cometa SL9 girava em torno de Júpiter há pelo menos 20 anos com período orbital de 2 anos, até ser despedaçado pelas enormes forças de maré do planeta em 07 de julho de 1992 quando esteve apenas a 71.400 quilômetros acima da atmosfera. O que restou foram 21 pedaços (segundo alguns
cálculos os maiores eram de 3 quilômetros) que foram esparramados em uma linha até a queda em Júpiter. Os fragmentos do cometa SL-9 com uma velocidade de cerca de 200.000 km/h, produziram enormes explosões que haviam
sido indicadas apenas pelas predições mais extremas. Quando entraram na atmosfera de Júpiter, os fragmentos causaram flashes que duraram apenas alguns segundos. Daí, gases superaquecidos foram expelidos para as
camadas superiores da atmosfera, formando bolas de fogo imensas que, nas explosões maiores, eram, por alguns instantes, mais quentes do que a superfície do Sol! Nos próximos 10 a 20 minutos, uma enorme coluna de gases elevou-se a uns 3.200 quilômetros. Visto que os impactos ocorreram no lado escuro de Júpiter (no hemisfério sul), os flashes e as colunas de gás brilhantes puderam ser
detectados com mais facilidade. Em alguns casos, o topo das colunas podia ser visto acima do horizonte de Júpiter.


imagens do impacto

Dez minutos depois da colisão, a rotação do planeta virou para a Terra os locais dos impactos. Passaram-se outros dez minutos e os pontos de impacto se voltaram para o Sol. A essas alturas, as colunas já se tinham dissipado, e
haviam sido substituídas por enormes manchas escuras. A maior delas tinha duas vezes o tamanho da Terra. Essas manchas não haviam sido preditas pelos astrônomos, mas acabaram sendo o aspecto mais marcante do fenômeno, que
duraram meses. Esta foi a primeira colisão de dois astros do Sistema Solar que foi observado e acompanhado em todos os pormenores.


VÍDEO

Júpiter: O Planeta Gigante

Júpiter é o quinto planeta mais próximo do Sol e é o
maior no sistema solar. Se Júpiter fosse oco, caberiam
mais de mil Terras no seu interior. Contém também mais
matéria do que todos os outros planetas juntos. Descubra
mais sobre esse gigante do sistema solar em mais um
episódio de "O Universo".

Tamanho Total: 350 MB
Dublado e Legendado (PT-BR)



Parte 1



Parte 2



Parte 3



Parte 4


DO SITE


http://science.nasa.gov/science-news/science-at-nasa/2010/15sep_jup...

http://blogs.estadao.com.br


http://www.anjodeluz.com.br/jupiter/ignicaodejupiter.htm

http://www.anjodeluz.net






Exibições: 180

Comentar

Você precisa ser um membro de Anjo de Luz para adicionar comentários!

Entrar em Anjo de Luz

Comentário de lucimar lemos em 27 setembro 2010 às 16:22
Percebi sim isso e como estou distante

do entendimento das proporções pela foto!!!
Comentário de Nadeje Carvalho Neves em 23 setembro 2010 às 17:40
Grata por toda essa informação. Eu mesma vivo metida com o nariz la pro espaço. É pena que onde moro, por causa das luzes das ruas e prédios não possamos admirar essa maravilha como se deve. Não dá para mandar apagar as luzes, né? E tem muita gente que nunca viu um céu tapetado de estrelas como seria a parte lógica da coisa. Nem sabem o que perdem com isso. Namastê! Nadéje
Comentário de belfloresta em 21 setembro 2010 às 20:36
Adorei a postagem. muito obrigado. Paz e Luz *!*
Comentário de Elisabete Sofia C. F. S. Santos em 21 setembro 2010 às 18:57
Nos últimos dias tenho olhado muito para o céu, fico deslumbrada com as estrelas, nunca vi tantas e tão brilhante.
Comentário de Raquel - Cigana * em 21 setembro 2010 às 11:25
Lindo!!!
Comentário de ivone barreto em 21 setembro 2010 às 11:12
muito interessante, estou vendo algo mais brilhante no céu será q. é jupiter
Comentário de Horacio Guerreiro em 21 setembro 2010 às 7:01
Bela postagem..LUZ e AMOR
Comentário de fatima de jesus cardoso monteiro em 20 setembro 2010 às 21:55
Muito legal,mais um motivo para contemplar a beleza lá de cima!abraço e muito obrigado!
Comentário de Edson Rabelo Andrade em 20 setembro 2010 às 19:12
DOCUMENTÁRIO EXCELENTE, PARABÉNS.
Comentário de Cintia Jaciuk em 20 setembro 2010 às 12:41
Nos faz refeltir sobre a grandiosidade Deus !

Seja um apoiador de Anjo de Luz

Para mantermos os sites de Anjo de Luz, precisamos de ajuda financeira. Para nos apoiar é só clicar!
Ao fazer sua doação você expressa sua gratidão pelo serviço! Lembre-se que dar e receber são aspectos diferentes do fluxo de energia no Universo.

 
Visit Ave Luz

 

PUBLICIDADE




Badge

Carregando...

Co-criando A NOVA TERRA

«Que os Santos Seres, cujos discípulos aspiramos ser, nos mostrem a luz que
buscamos e nos dêem a poderosa ajuda
de sua Compaixão e Sabedoria. Existe
um AMOR que transcende a toda compreensão e que mora nos corações
daqueles que vivem no Eterno. Há um
Poder que remove todas as coisas. É Ele que vive e se move em quem o Eu é Uno.
Que esse AMOR esteja conosco e que esse
PODER nos eleve até chegar onde o
Iniciador Único é invocado, até ver o Fulgor de Sua Estrela.
Que o AMOR e a bênção dos Santos Seres
se difunda nos mundos.
PAZ e AMOR a todos os Seres»

A lente que olha para um mundo material vê uma realidade, enquanto a lente que olha através do coração vê uma cena totalmente diferente, ainda que elas estejam olhando para o mesmo mundo. A lente que vocês escolherem determinará como experienciarão a sua realidade.

Oração ao Criador

“Amado Criador, eu invoco a sua sagrada e divina luz para fluir em meu ser e através de todo o meu ser agora. Permita-me aceitar uma vibração mais elevada de sua energia, do que eu experienciei anteriormente; envolva-me com as suas verdadeiras qualidades do amor incondicional, da aceitação e do equilíbrio. Permita-me amar a minha alma e a mim mesmo incondicionalmente, aceitando a verdade que existe em meu interior e ao meu redor. Auxilie-me a alcançar a minha iluminação espiritual a partir de um espaço de paz e de equilíbrio, em todos os momentos, promovendo a clareza em meu coração, mente e realidade.
Encoraje-me através da minha conexão profunda e segura e da energia de fluxo eterno do amor incondicional, do equilíbrio e da aceitação, a amar, aceitar e valorizar  todos os aspectos do Criador a minha volta, enquanto aceito a minha verdadeira jornada e missão na Terra.
Eu peço com intenções puras e verdadeiras que o amor incondicional, a aceitação e o equilíbrio do Criador, vibrem com poder na vibração da energia e na freqüência da Terra, de modo que estas qualidades sagradas possam se tornar as realidades de todos.
Eu peço que todas as energias e hábitos desnecessários, e falsas crenças em meu interior e ao meu redor, assim como na Terra e ao redor dela e de toda a humanidade, sejam agora permitidos a se dissolverem, guiados pela vontade do Criador. Permita que um amor que seja um poderoso curador e conforto para todos, penetre na Terra, na civilização e em meu ser agora. Grato e que assim seja.”

© 2021   Criado por Fada San.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço